quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Ex-ministra da Alemanha defende Lula

Por Altamiro Borges

A farsa do "julgamento" de Lula, marcado para 24 de janeiro em Porto Alegre, continua repercutindo no mundo todo. Inúmeros intelectuais, artistas e lideranças políticas e sociais de vários continentes já expressaram seu repúdio à provável condenação. Centenas deles assinaram o manifesto "Eleição sem Lula é fraude" - que já conta com quase 200 mil adesões. Agora foi a vez da ex-ministra da Justiça da Alemanha (1998-2002), Herta Däubler-Gmelin. Em um artigo incisivo, publicado na imprensa alemã, a também renomada advogada, ex-deputada do Bundestag e atual professora da Universidade Livre de Berlim criticou as motivações políticas no processo, que comprovariam "a inexistência do Estado de Direito no Brasil". Seu artigo deveria ser lido pelos carrascos dos TRF-4 e também por inúmeros jornalistas-jagunços da mídia golpista. Reproduzo na íntegra abaixo:

Caso Lula: o judiciário se condena

Arte: Grossomodo
Por Jeferson Miola

Não é segredo que a aceleração do julgamento do ex-presidente Lula na segunda instância do judiciário é carta marcada. Não é sinal de celeridade judicial e, menos ainda, de normalidade jurídica ou de julgamento justo. É fraude bruta, é mero jogo de aparências do regime de exceção para assegurar a continuidade do golpe e da agenda de retrocessos.

Até os mármores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região sabem que o simulacro de julgamento de 24 de janeiro é, na verdade, uma pantomima judicial para condenar sem provas e cassar os direitos políticos do maior líder popular da história do Brasil.

O petróleo “inútil” chega a US$ 70 o barril

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Lembra aquele petróleo que “não valia mais nada” e que fazia do pré-sal, segundo O Globo, um “patrimônio inútil”, porque o preço do barril ia cair para 20 dólares (e chegou mesmo a US$ 28)?

Hoje, pela primeira vez desde novembro de 2014, a cotação do Brent – negociado na Europa – passou da casa dos US$ 70 por barril.

Isso quer dizer que as partes dos campos da Petrobras que vendemos às multinacionais já valem bem mais do que eles pagaram, segundo os preços estimados na ocasião.

Venezuela é alvo de "fake news" da mídia

Juíza do DF deixa Moro pelado no meio da rua

Por Miguel do Rosário, no blog Cafezinho:

A informação é publicada aqui atrasada alguns dias, mas tem que figurar aqui no blog, sobretudo por causa da nossa preocupação com as historiadoras futuras, cujo trabalho de pesquisa queremos ajudar.

*****

No blog do Mino Pedrosa

Exclusivo, Tríplex: decisão de juíza federal absolve Lula e contradiz frontalmente Moro

Por Mino Pedrosa

A juíza Luciana Correa Torres de Oliveira, da 2ª Vara de Execução e Títulos no Distrito Federal, poderá lacrar o calabouço, afrouxando o laço da forca no pescoço do ex-presidente Lula, no julgamento no dia 24 de janeiro, referente ao polêmico tríplex.

Mídia celebra paz dos cemitérios na economia

Por Wadih Damous, no blog Diário do Centro do Mundo:

O alarido da mídia monopolista diante da aparente melhoria de qualquer fundamento econômico não resiste a um sopro de realidade. Depois de trombetear o patético crescimento de 0,1% do PIB do penúltimo trimestre de 2017 como se fora a saída da recessão, e não a cristalização da estagnação, agora o motivo da festa midiática é a inflação abaixo do piso da meta no ano que passou.

Entre a divulgação dos índices relativos ao PIB parcial e da inflação, também mereceu espaço generoso do cartel da mídia, com direito a comentários e colunas ufanistas dos sabujos dos donos dos veículos de comunicação, o ínfimo alento nos números da indústria em novembro, se comparados com o mês anterior. O mesmo se observou após a divulgação de um residual e insignificante alívio no desemprego.

Lula e a "boca de urna" judicial-midiática

Por Bepe Damasco, em seu blog:

Com a aproximação do julgamento do recurso apresentando pela defesa do ex-presidente Lula, no TRF-4, em Porto Alegre, o noticiário da mídia monopolista é inundado por informações que visam vitimizar os desembargadores do tribunal, criminalizar a multidão que rumará para a capital gaúcha em solidariedade a Lula, justificar a repressão e avançar algumas casas na campanha antipetista.

Os destaques desta segunda-feira, 15 de janeiro, foram os encontros do presidente do tribunal Thompson Flores com a presidente do STF e a procuradora-geral da República, além de um estranho e extemporâneo inquérito da Polícia Federal acusando o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, de Caixa 2, na campanha eleitoral de 2012. Isso mesmo, 2012 e não 2016, último ano em que Haddad disputou uma eleição.

O desmonte por trás do Orçamento de 2018

Por Julia Neves, no site Vermelho:

O presidente Michel Temer sancionou no dia 2 de janeiro a Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2018, que prevê R$ 3,5 trilhões de receitas e despesas da União para o exercício financeiro deste ano. Este será o primeiro orçamento aprovado após a vigência da Emenda Constitucional do Teto de Gastos (EC 95), que limita as despesas públicas à inflação do ano anterior pelos próximos 20 anos.

Uma das principais novidades é o aporte de R$ 1,7 bilhão para o Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), que vai custear com recursos públicos as campanhas dos partidos políticos.

Cadê a prova? O Brasil pergunta!

Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

O ex-ministro Bresser Pereira, sensato e ponderado, recomenda um crédito à Justiça aos que já dão Lula como condenado pelos três desembargadores do TRF-4, no dia 24. Na velha normalidade, antes do golpe e do ativismo ideológico de parte do Judiciário, esta seria mesmo a postura natural. Acreditar na Justiça. Pois na velha normalidade haveria a crença de que, ao examinarem a sentença do juiz Sérgio Moro, que condenou Lula a 9,6 anos de prisão por supostamente ter recebido o tríplex do Guarujá como propina, os três togados de Porto Alegre teriam suas consciências assediadas por uma pergunta: cadê a prova? Ou as provas.

Denúncia expõe corrupção no governo Alckmin

Por José Antonio Lima, na revista CartaCapital:

Entre dezembro de 2015 e a metade de 2016, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), foi pressionado por uma onda de protestos de estudantes. Os alunos da rede pública foram às ruas e ocuparam estabelecimentos de ensino para protestar contra a reorganização escolar proposta pelo tucano (revogada, mas depois realizada às escondidas) e contra a precária situação das merendas.

Neste período, o foco foi jogado sobre o então presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), Fernando Capez (PSDB), alvo da Operação Alba Branca, que investigou a chamada "máfia da merenda". Poderoso e com muitos aliados, Capez conseguiu escapar do noticiário. Em abril de 2016, seu cunhado ameaçou um repórter de CartaCapital. Em maio de 2016, Capez deu ordens à Polícia Militar para barrar a entrada na Alesp de uma equipe de CartaCapital. Os jornalistas estavam no local para acompanhar a ocupação do plenário da Casa por secundaristas. Em setembro, Capez saiu ileso de uma CPI dominada por governistas.

Julgamento de Lula: Não há tempo a perder

Lula recebe apoio de artistas e intelectuais no RJ
Foto: Ricardo Stuckert
Por João Paulo Cunha, no jornal Brasil de Fato:

De um lado uma mala de dinheiro. E mais outra mala. E recibos carimbados por empreiteiras. Para completar, telefonemas bisonhos gravados e depósitos em contas em paraísos fiscais. Por obra dos pares no Congresso e de decisões do Supremo, os responsáveis lustram a blindagem de sempre. Aécio flana, meio na moita, mas com as canelas livres.

Do outro lado, muitas delações e nenhuma prova. Acusações feitas sob constrangimento e chantagem. Muito domínio para pouco fato. Depoimentos, como de Tacla Duran, desprezados. Com o processo acelerado pela eficiência da máquina de justiçamento, furando fila para apressar a entrega combinada, Lula está nas barras do tribunal.

Por que eles têm tanto medo de Lula?

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

A semana começou com uma única preocupação em Brasília: o julgamento de Lula em Porto Alegre, que pode definir os rumos da eleição presidencial.

Ainda faltam nove dias, mas não se fala em outro assunto na mídia e nos principais gabinetes da República.

Preocupado com o que pode acontecer, o presidente do TRF-4, palco do julgamento do século, Thompson Flores fez uma romaria pela cidade na segunda-feira para pedir proteção aos seus desembargadores.

Algum juiz já pediu o fim de seus privilégios?

Por Luiz Moreira, na Rede Brasil Atual:

De uns tempos pra cá é repetido exaustivamente o mantra “a lei é para todos”, como se houvesse alguma universalidade nos privilégios que juízes e membros do Ministério Público desfrutam.

Vejam bem: a Constituição da República, como obra política, é prenhe em contradições; diz que todo o poder emana do povo e conduz a poder de Estado uma instituição (o Judiciário) que é órgão, mas não poder, por não emanar da soberania popular.

Entre os muitos equívocos conceituais da ciência jurídica brasileira está o desprestígio à legislação, que se constituiu a partir da transformação da interpretação constitucional em decisionismo, em que o capricho individual de juízes e de membros do ministério público passou a substituir a lei. Não gostou ou não concordou, afasta-se a aplicação da lei por “entendê-la” inconstitucional.

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Fernando Capez dá indigestão em Alckmin

Por Altamiro Borges

Possivelmente não vai dar em nada – já que o judiciário paulista é conhecido por suas relações carnais com o tucanato e a mídia é totalmente chapa-branca. Mas a decisão do procurador-geral de Justiça do Ministério Público de São Paulo, Gianpaolo Smanio, que apresentou nesta segunda (15) denúncia contra o deputado estadual Fernando Capez, sob acusação de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no escândalo da “máfia da merenda”, pode dar uma baita indigestão em Geraldo Alckmin, que briga no ninho para ser o candidato do PSDB na disputa presidencial deste ano.

TRF julgará Lula por um crime sem cadáver?

Do blog A justiceira de esquerda
Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Uma semana e poucos dias antes do 24 de janeiro, quando o TRF-4 irá julgar um recurso de Lula contra a pena de 9 anos e meio aplicada por Sérgio Moro, o Brasil faz uma descoberta fantástica.

Concordando com as alegações do próprio Lula desde que o caso começou a ser investigado, ainda pelo Ministério Público de São Paulo, a juíza Luciana de Oliveira, da Vara de Execução e Títulos do Distrito Federal, assinou uma sentença que reafirma um ponto essencial do caso. Segundo ela, o apartamento 16-4 do Edifício Solaris, apontado como a prova de que Lula teria sido subornado pela empreiteira OAS em troca de contratos favorecidos na Petrobras não pertence e nunca pertenceu ao ex-presidente. É propriedade da OAS.

A sinistra entidade que prega a "cura gay"

Rozangela Justino
Por George Marques e Ruben Berta, no site The Intercept-Brasil:

Decisões polêmicas da Justiça Federal do Distrito Federal abriram, no ano passado, o caminho para liberar terapias de reversão sexual, mais conhecidas como “cura gay”. Agora, The Intercept Brasil foi atrás de uma das principais entidades que defendem esse tipo de tratamento: a Associação Brasileira dos Psicólogos em Ação (Abrapsia), presidida pela assessora parlamentar Rozangela Justino. E não, não encontramos a cura.

De acordo com o site da Receita Federal, a entidade foi criada em 17 de janeiro do ano passado, com sede no mezanino da Rodoviária de Brasília, número 3576. Fomos até lá na segunda-feira, 8 de janeiro. Perguntamos a funcionários de restaurantes, donos de lojas, atendentes de farmácia, e nada. Por fim, a assessoria de imprensa do DFtrans, autarquia que administra a rodoviária, afirmou em nota que não existia ali “nenhum estabelecimento com o nome Abrapsia”.

Lula está sendo julgado pelos seus acertos

Por Michel Zaidan Filho, no blog Viomundo:

Se fosse o ex-presidente Lula que possuísse um luxuoso apartamento na prestigiada Avenida General Foch, em Paris, registrado no nome de um “laranja” chamado Jovelino de Carvalho, e por acaso sócio dos filhos de Fernando Henrique Cardoso na Fazenda Buritis, ele estaria muito encrencado.

Afinal, um ex-metalúrgico não teria como adquirir um imóvel tão caro na França.

Se fosse o ex-presidente Lula que tivesse suas contas no exterior denunciadas pela ex-amante, pedindo inclusive uma investigação policial dessas contas, estaria frito.

Os votos que não são votos do TRF-4

Por Gilberto Maringoni, na revista Fórum:

Faço campanha política desde 1974. Aprendi a pedir voto, a fazer panfletagens, a tentar convencer o eleitor, a organizar campanhas etc. Sei ler resultados eleitorais de centro acadêmico a pleitos presidenciais como qualquer um que lide com o assunto.

Também sou capaz de verificar movimentos em pesquisas de opinião, buscar identificar tendências e construir cenários através da tabulação das intenções coletadas de centenas, de milhares, de milhões de pessoas de acordo com múltiplas variáveis que compõem a decisão do voto. Repito, não é prerrogativa exclusivamente minha. Qualquer ativista mediano com alguma cultura política tem obrigação de fazer isso.

A juíza que enfrentou Sergio Moro

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

Nos últimos dias, decisão de uma juíza de primeiro grau de Brasília chamada Luciana Correa Torres de Oliveira criou um embaraço para os três desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região que irão julgar apelação do ex-presidente Lula àquela Corte contra condenação que recebeu do juiz Sergio Moro.

Além desse efeito prático da decisão da magistrada em tela, o juiz Sergio Moro acabou desmoralizado por essa decisão.

Senão, vejamos.

Karl Marx e o jornalismo

Por Pedro Oliveira, no site da Fundação Maurício Grabois:

No início deste ano - em que se comemora os 200 anos do nascimento deste cérebro prodigioso que foi Karl Marx - poderemos aproveitar os eventos que certamente ocorrerão ao longo de 2018 para revisitar sua obra, aprofundar o conhecimento de sua valiosa contribuição teórica e prática ao movimento revolucionário dos trabalhadores e trabalhadoras do mundo inteiro. E, ao mesmo tempo, poderemos analisar como a repercussão de suas descobertas científicas - em colaboração com Friedrich Engels - se estendem até nossos dias.

É hora de uma nova rebeldia global

Por Bernie Sanders, no site Outras Palavras:

Eis onde estamos como planeta em 2018: depois de todas as guerras, revoluções e grandes encontros internacionais nos últimos 100 anos, vivemos em um mundo onde um pequeno punhado de indivíduos incrivelmente ricos exercem níveis desproporcionais de controle sobre a vida econômica e política da comunidade global.

Difícil de compreender, o fato é que as seis pessoas mais ricas da Terra agora possuem mais riqueza do que a metade mais empobrecida da população mundial - 3,7 bilhões de pessoas. Além disso, o top 1% tem agora mais dinheiro do que os 99% de baixo. Enquanto os bilionários exibem sua opulência, quase uma em cada sete pessoas luta para sobreviver com menos de US$ 1,25 [algo como R$ 4] por dia e – horrivelmente – cerca de 29 mil crianças morrem diariamente de causas totalmente evitáveis, como diarreia, malária e pneumonia.

Balança comercial: nada a comemorar

Por Paulo Kliass, no site Carta Maior:

Em seu trabalho insano de garimpar notícias menos piores na seara da economia, os responsáveis por tais editorias dos grandes de meios de comunicação não se preocupam com um mínimo de coerência perante seus leitores ou com a própria imagem refletida no espelho antes de dormirem. Na verdade, tentam melhorar a popularidade para lá de desgastada do governo que ajudaram a constituir depois da aprovação do golpeachment de Dilma.

Direita histérica só tem votos no TRF-4

Foto: Guilherme Santos/Sul21
Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Aposto um doce com quem quiser que o Lula que veremos, hoje à noite, no ato de solidariedade que lhe se fará no Rio de Janeiro, estará mais sereno do que de costume.

Quem está por trás desta ridícula campanha de terror que prevê guerra e confronto no dia 24, em Porto Alegre é a direita, que – sem votos entre a população – precisa de todos os três votos dos desembargadores da 8ª Turma do Tribunal Federal da 4ª Região. De todos, porque um só deles divergente será um abalo imenso na “verdade absoluta” com que apresentam o caso de suas “convicções”.

A picaretagem das agências de risco

Cresce solidariedade internacional a Lula

Por Monica Valente, no site do PT:

Durante o mês de janeiro, estão previstas inúmeras atividades de solidariedade a Lula e ao Brasil no exterior. Até o momento, estão agendadas atividades em Frankfurt, Berlim, Colônia, Munique, Zurique, Paris, Londres, Barcelona, Estocolmo, Madrid, Nova Iorque e Cidade do México. A programação está no site Brasileiros no Mundo Contra o Golpe .

Esse tipo de iniciativa foi inaugurado durante a luta contra o impeachment da presidenta Dilma em 2015 e 2016, quando muitos brasileiros e brasileiras residentes no exterior se mobilizaram na luta contra aquela que hoje denominamos primeira fase do golpe.

Ato pró Moro em Maringá foi um fiasco

Por Marcos Danhoni, no blog Diário do Centro do Mundo:

Dia 13 último, o PT, como fez em muitas cidades em todo o Brasil, inaugurou seu Comitê de Luta pela Democratização em Maringá, terra natal de dois ícones do golpe: o juiz Sergio Moro e o ministro da Saúde Ricardo Barros.

Ao tomar conhecimento do evento, o MBL, aliado à ACIM (Associação Comercial e Industrial de Maringá – uma espécie de Fiesp, em menor escala) e outras associações ultraconservadoras, idealizou uma manifestação.

Empresários da ACIM se reuniram com lideranças do MBL, com representantes do Lions e com membros da imprensa e do clero local, além, óbvio, de políticos. Queriam realizar o protesto exatamente na porta da Câmara de Vereadores, onde, no grande plenário, se desenrolaria a reunião do PT.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Venezuela e o mico da mídia e do MBL

Por Altamiro Borges

No seu ódio à “revolução bolivariana”, a imprensa brasileira – que parece uma sucursal rastaquera da mídia imperial dos EUA – já divulgou incontáveis mentiras sobre a Venezuela. Quase diariamente os jornalões e as emissoras de rádio e tevê destilam o seu veneno contra o país vizinho. A Folha, que apoiou os dois últimos golpes no Brasil (1964 e 2016) e respaldou o regime militar e a quadrilha de Michel Temer, até decidiu rotular o governo de Nicolás Maduro de “ditadura” – apesar das inúmeras eleições ocorridas desde a chegada de Hugo Chávez ao poder. Já o Jornal Nacional, da golpista TV Globo, é o campeão na prática do “jornalismo de guerra” contra a Venezuela. Esta obsessão doentia, porém, costuma produzir algumas cenas risíveis – como o recente caso do brasileiro Jonatan Diniz.

A luta entre dois projetos para o Brasil

Por Samuel Pinheiro Guimarães

1. Há uma luta ideológica, política e econômica entre dois projetos para o Brasil, como Nação, como Sociedade, como Estado.

2. Estes dois projetos decorrem de visões distintas da sociedade brasileira, de suas características, de seu potencial, de seu lugar no mundo.

3. O primeiro projeto para o Brasil se encontra articulado, e em acelerada execução, no programa econômico e político de Michel Temer e Henrique Meirelles, o qual decorre de uma visão do Brasil que pode ser assim resumida:

Indiciamento de Haddad visa barrar o PT?

Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, é um dos nomes cogitados como candidato alternativo do PT a presidente, caso triunfe o golpe do tapetão judicial contra o ex-presidente Lula. O outro é o ex-ministro e ex-governador Jacques Wagner. A inconsistência do indiciamento de Haddad pelo delegado João Luiz de Moraes Rosa, que o acusa de ter recebido recursos de caixa dois da empreiteira UTC para sua campanha de 2012, incita a dúvida sobre seu objetivo político. Estará em curso um plano maior para inviabilizar candidatos do PT a presidente?

A velha direita tenta se manter como centro

Por André Barrocal, na revista CartaCapital:

O establishment político e econômico, reino da velha direita brasileira, curtiu as festas de fim de ano na boa vida, como em geral são os dias desses endinheirados, mas começa 2018 ressabiado. Nenhum de seus cavalinhos no páreo para concorrer à Presidência empolga a massa até agora, motivo de umas caneladas entre uns e outros.

Geraldo Alckmin, Rodrigo Maia, Henrique Meirelles, todos veem de binóculo o líder nas pesquisas, Lula. Pior: comem poeira também do reacionário Jair Bolsonaro, grande beneficiário do radicalismo cultivado pelo próprio establishment na cruzada antipetista. Fruto dessa cruzada, o governo é outro abacaxi. Detestado pelo povão, Michel Temer tornou-se uma erva daninha eleitoral. Ficar perto dele é desastroso, mas como esconder as ligações?

Lula: o que acontece após 24 de janeiro?

Por Rafael Tatemoto, no jornal Brasil de Fato:

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será julgado em segunda instância no próximo dia 24 de janeiro. O caso diz respeito à primeira condenação do petista pelo juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato em Curitiba, no Paraná. Qualquer que seja o resultado, será um momento de definição para a política em 2018 e os próximos anos.

Os indícios de que o julgamento terá alto impacto político, envolvendo o líder das pesquisas eleitorais, já se apresentam na própria velocidade do processo. Entre a sentença de Moro e o início da tramitação no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, foram apenas 42 dias. João Pedro Gebran Neto, relator da apelação, investiu 36 dias na elaboração de seu voto. O revisor, somente seis. Trata-se do caso mais rápido da Lava Jato a ser julgado em segunda instância.

Turma de um dígito disputa espólio de Temer

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

O principal fato político da última semana foi a disputa aberta deflagrada entre os quatro pré-candidatos do chamado “centro” – não seria melhor chamar logo de “centrão”? – pelo apoio do governo Temer nas eleições.

Quem lê o noticiário deve imaginar que o presidente vai ser o grande eleitor em 2018, dono de um caminhão de votos, pelo bem que está fazendo ao país, como não se cansa de mostrar a milionária propaganda oficial.

Dá para acreditar? Em que país vivem Meirelles, Maia, Alckmin e Doria?

Huck, Globo e os "novos políticos"

Por Helena Sthephanowitz, na Rede Brasil Atual:

Passados alguns dias da repercussão da entrevista – interpretadas como fala de candidato, em “campanha eleitoral” antecipada - de Luciano Huck, no palco do programa do Faustão no domingo (7), o apresentador negou que irá se candidatar à Presidência da República em 2018. Não foi uma negativa categórica por meio de nota oficial à imprensa – apenas um comentário pelas redes sociais, mas sem efetivamente descartar sua candidatura. Disse ainda que continuará atuando em movimentos cívicos para “oxigenar a política brasileira com novas cabeças, novas ideias e, principalmente, novas práticas”.

A política no julgamento de Lula

Por Marcus Ianoni, no site Vermelho:

Toda decisão do Estado, em qualquer dos Três Poderes, é política, pois implica em cursos de ação com obrigatoriedade de cumprimento, garantida, no limite, pelo uso monopolístico da força, que o poder público proclama assentar-se na legitimidade. O veredito jurídico é uma decisão política do Poder Judiciário.

No entanto, enquanto tende a ser aceitavelmente alto o grau de politização de uma decisão sobre política pública ou sobre as regras do jogo político (a chamada reforma política, por exemplo), a decisão jurídica deve se pautar em critérios de racionalização técnica de corte mais universal, como as teorias doutrinárias e a jurisprudência. Afinal, a Justiça não é cega, ainda que ela seja um órgão político cumpridor de uma função institucional essencial do poder do Estado? Em que medida o julgamento de Lula não tem sido conduzido pelo processo de politização que tem caracterizado a ação do populismo jurídico emergente no Brasil, onde a polarização política alcançou expressão inédita?

O BNDES e o austericídio de Temer

Por Mauro Santayana, em seu blog:

Mentirosamente acusado de ter sido “quebrado” pela “incompetência” e “ladroagem” do PT, que deixou em seus cofres, no final do governo Dilma, a miserabilíssima quantia de mais de 200 bilhões de reais em caixa e um total de ativos de cerca de 800 bilhões, o BNDES corre o risco de derreter com a sucessão de “pagamentos” “adiantados” ao Tesouro (de uma dívida que teria 30 anos para pagar) feitos pelo atual governo.

Não satisfeita em ter sangrado dos cofres da instituição, em 2015 e 2016, em 130 bilhões de reais, a administração Temer pretende sacar mais 130 bilhões em 2017 e 2018, para diminuir teoricamente uma volúvel dívida pública – cujo valor em dólares aumenta ou diminui a cada vez que alguém arrota em Wall Street - em relevantíssimos menos de 6%.

Waack esqueceu de pedir desculpas

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

O sentido do artigo de William Waack publicado na Folha de São Paulo, hoje, se expressa no título: "Não sou racista, minha obra prova".

Há muito tempo estou convencido de que a única forma de Waack se recuperar da "Coisa Preta," episódio lamentável de racismo explícito, é reconhecer o caráter inaceitável de seu comentário e apresentar um pedido de desculpas - em público, claro e sem ambiguidades.

Acredito que, numa situação como esta, é indispensável reconhecer uma dívida moral, que deve ser reparada - simbolicamente - com uma demonstração de respeito à dignidade de quem sentiu-se ofendido. É preciso mostrar-se humilde diante de quem foi humilhado.

Julgamento para acobertar arbítrio é farsa

Por Haroldo Lima, no Blog do Renato:

O país prepara-se para o “julgamento do Lula”, que é como está sendo chamado a análise do recurso impetrado pela defesa do ex-presidente, contra a sentença do juiz Sérgio Moro que o condenou, e que acontecerá no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, a 24 próximo.

A “sentença” de Moro foi produzida a partir de parâmetros estranhos ao ordenamento jurídico brasileiro, e por isso Lula foi condenado. O que se indaga, é se o Tribunal julgará agora com os mesmos parâmetros usados pelo Moro, uma espécie de “novo Direito”, sem respaldo na Constituição e sem amparo na soberania popular. Problemas delicados.

10 razões para apoiar Lula em Porto Alegre

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

Convido a todos e a todas a dizerem por que vão estar em Porto Alegre, em 24 de janeiro próximo, para o ato público em apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra o processo farsesco que ele enfrentará nesse dia no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

Não vou falar do processo em si. Todos temos lido ou proclamado por que esse processo, ou melhor, por que todos os processos que Lula enfrenta na Justiça não passam de tentativas torpes da burguesia brasileira de impedir que o ex-presidente volte ao poder.

Opus Dei do TST autoriza demissão em massa

Por Altamiro Borges

Na semana passada, o presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra Filho – seguidor da seita fascista Opus Dei –, deu mais um passo para o avanço da escravidão no Brasil. Ao julgar as 129 dispensas do Centro Universitário Ritter dos Reis, o ministro validou as demissões em massa sem que os sindicatos sejam comunicados. Antes da aprovação da “reforma trabalhista” do golpista Michel Temer, as empresas eram obrigadas a avisar as entidades de classe sobre os cruéis “facões”. Se não conseguiam impedir os cortes, os sindicatos ao menos negociavam compensações, como aviso prévio ou extensão do plano de saúde. Após o golpe na CLT, esta prerrogativa ficou na berlinda. Agora, o presidente do TST resolveu a questão em favor do capital e contra o trabalho.

domingo, 14 de janeiro de 2018

Globo convoca Huck pra reunião emergencial

Por Altamiro Borges

Nesta quinta-feira (11), a jornalista Keila Jimenez postou no site R-7 que a direção da TV Globo convocou o apresentador Luciano Huck para uma “reunião emergencial”. O motivo seria a sua “entrevista” no programa “Domingão no Faustão” e a iniciativa do PT de ingressar com uma representação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a emissora, o “presidenciável” global e o bobo-da-corte Fausto Silva. Durante a semana, a famiglia Marinho fez de tudo para evitar um processo por uso indevido de uma concessão pública de televisão como palanque eleitoral, o que é proibido pela legislação. No desespero, ela mentiu descaradamente, afirmando que a tal entrevista foi feita em novembro passado, quando o apresentador já havia negado suas pretensões políticas.

Band segue sacaneando os jornalistas

Por Altamiro Borges

O clima anda carregado nas redações do Grupo Band. O plano de demissões em massa da empresa, anunciado no início deste ano, segue fazendo vítimas e da forma mais cruel possível. Segundo postagem de Flávio Ricco no site UOL, “o repórter esportivo Gustavo Berton também entrou na lista de cortes da Bandeirantes e tomou conhecimento disso de uma maneira inusitada, deselegante até. Na terça-feira (10), ele participou normalmente de ‘Os Donos da Bola’, na hora do almoço. Ao término do programa, ele foi informado da sua demissão na porta do estúdio. Que hora, hein? E que lugar”.

Neoliberalismo e os novos fascismos

Por Tatiana Carlotti, no site Carta Maior:

“Nós estamos testemunhando a reemergência do fascismo no alvorecer do século XXI? Estariam os sinais dessa reemergência a ser buscado no regresso da linguagem e da prática racista, sexista, xenofóbica e explicitamente incitadora do ódio? A resposta é sim se considerarmos que a história parece estar se repetindo”.

Com essas considerações, Zeynep Gambetti, professora de Teoria Política na Bogazici University (Turquia), deu início à sua conferência no seminário Os Fins da Democracia, realizado entre os dias 7 e 9 de novembro, no SESC Pompeia.

Huck e a mentira descarada da Globo

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

A imprensa brasileira tem capacidade de apurar tudo, quando quer.

E não se sente no dever de fazer isso quando acha que “não vem ao caso”.

Há, porém, exceções em alguns casos. E nenhuma, em outros.

Este blog duvidou da informação distribuída pela Globo de que o “Divã” do Faustão com a exibição de Luciano Huck teria sido gravado no longínquo 11 de novembro, antes de que o apresentador tivesse, publicamente, negado ser candidato à Presidência.

Condenação de Lula pode ampliar injustiça

Por Solange do Espírito Santo, no site da CUT:

“O quadro de injustiça contra os cidadãos pobres vai piorar se o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) mantiver, no dia 24, a condenação infundada do ex-presidente Lula”.

O alerta é do advogado e professor de Direito Constitucional da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Pedro Estevam Serrano.

O professor entende que o processo contra Lula no caso do tríplex do Guarujá é inconsistente. Para ele, por absoluta falta de provas, o Tribunal deveria anular a sentença dada pelo juiz Sérgio Moro, que condenou o ex-presidente a mais de 9 anos de prisão.

Juventude mobilizada para ir a Porto Alegre

Do site da UJS:

Praticamente 60 anos após a campanha da Legalidade, Porto Alegre volta a ser palco da luta pela democracia no Brasil. Naquela ocasião a juventude girava para a capital gaúcha para defender o mandato legítimo do Presidente João Goulart contra os golpistas militares. Desta vez, nos unimos contra os golpistas togados que tentam desferir a última tacada da empreitada antidemocrática instalada desde 2016: desmoralizar e criminalizar a maior liderança popular do país.

Marcelo Bretas e os juízes linguarudos

Por Eugênio Aragão, no blog Diário do Centro do Mundo:

Ainda sou de uma época em que juízes despachavam em autos e costumavam ser sisudos, pouco falantes. A satisfação que davam à sociedade estava na fundamentação de seus julgados. Não era preciso mais. Nunca se via Célio Borja, Paulo Brossard, Sepúlveda Pertence, Aldir Passarinho e tantos outros externarem palpites sobre tudo e sobre todos, apaixonando-se narcisistamente por suas próprias palavras.

O comedimento e o decoro público eram as marcas de um judiciário que podia ser falho, afinal era humano, mas que não era falastrão e nem espalhafatoso. Um judiciário que se dava o respeito e, de um modo geral, não infenso a crítica, mas respeitado.

Julgamento de Lula e os tempos incertos

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

O jogo político está cada vez mais embolado.

Há dois fenômenos novos, em movimento, em favor de Lula. E a força inercial do antilulismo em direção oposta.

Peça 1 – a desmoralização da Lava Jato

Hoje em dia há três tipos de atitudes em relação à Lava Jato. Os anti-Lula apoiam a operação, mas sabem que é uma jogada política. Os lulistas a condenam e denunciam que é jogada política. E, nesses tempos de polarização, a legião dos independentes está cada vez mais convencida de que é uma jogada política.

MBL passará vergonha no julgamento de Lula

Por Pedro Breier, no blog Cafezinho:

A coluna da Mônica Bergamo de hoje traz informações sobre as movimentações do MBL para o julgamento de Lula:

TOM FESTIVO

O “CarnaLula”, ato organizado pelo MBL (Movimento Brasil Livre) em Porto Alegre (RS) no dia 24, será “a comemoração de uma decisão que já foi tomada”, diz Pedro Franco, liderança gaúcha do grupo. Para ele, há provas suficientes para confirmar a condenação do ex-presidente.

FESTIVO 2

Os organizadores esperam receber políticos da região Sul que apoiam o MBL. O prefeito Nelson Marchezan Jr. (PSDB), que chegou a pedir o Exército e a Força Nacional na cidade, foi convidado, segundo Franco.

Bitcoins e os anarco-capitalistas

Por Doug Henwood, no site Outras Palavras:

O guru do marketing Robert Prechter, grande psicólogo dos mercados financeiros embora seja seguidor devotado de Ayn Rand e acredite na peça de ficção denominada teoria Elliott Wave, alegou certa vez que num grande mercado especulativo há algo denominado “ponto de reconhecimento”, quando o público embarca. Isso significa que está ficando tarde e já é hora de os profissionais pensarem em cair fora (embora a mania possa continuar bem depois do envolvimento das pessoas comuns).

Maia e a terceira denúncia contra Temer

Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

Rodrigo Maia, presidente da Câmara, está em franca movimentação para se viabilizar como candidato a presidente. Por ora, ainda está longe disso, ainda mais depois que o próprio Temer piscou para o tucano Geraldo Alckmin numa entrevista e sutilmente desdenhou as pretensões de Maia e de Henrique Meirelles. Mas há um imponderável no caminho, que pode impactar a disputa e premiar Maia: caso a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, apresente uma nova denúncia contra Temer, por conta das cabeludas suspeitas de corrupção no decreto dos portos, alguém acha que desta vez os deputados vão livrar a cara dele, na reta da eleição? Se Temer for afastado, Maia pode assumir a presidência. E ainda que seja por um dia, terá direito a disputar a reeleição no cargo, uma vantagem formidável em qualquer disputa. Pode parecer insólito, mas pode acontecer.

sábado, 13 de janeiro de 2018

Livro aponta falácias de Moro contra Lula

Por Miguel Martins, na revista CartaCapital:

"As declarações de (Léo) Pinheiro Filho soam críveis", assinala Sergio Moro na sentença que condenou Lula a nove anos e meio de prisão, prestes a ser analisada em segunda instância pela Justiça.

O magistrado diz não vislumbrar motivo para o delator do ex-presidente no processo do tríplex admitir "a prática de um crime de corrupção", no caso, o repasse de propina ao petista na forma do imóvel, e negar "o outro", relativo ao recebimento de vantagens ilícitas para o armazenamento do acervo presidencial.

"Caso sua intenção fosse mentir em Juízo em favor próprio e do ex-presidente, (Pinheiro) negaria ambos os crimes", conclui o magistrado. "Caso a intenção fosse mentir em Juízo somente para obter benefícios legais, afirmaria os dois crimes."

Vão condenar Lula e deixar Bolsonaro solto?

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

Se a entrevista não tivesse sido gravada, poderiam dizer que é apenas mais uma “fake news”.

Vejam o que disse à repórter da Folha o candidato Jair Bolsonaro, segundo colocado em todas as pesquisas para presidente da República:

“Como eu estava solteiro naquela época, esse dinheiro de auxílio-moradia eu usava para comer gente, tá satisfeita agora ou não?”

Deve ter comido muita gente porque, embora seja dono de um apartamento em Brasília, há vários anos Bolsonaro continua recebendo da Câmara R$ 6.167 de auxílio-moradia por mês.