domingo, 25 de junho de 2017

Impunidade nos 12 anos do 'mensalão tucano'

Por Helena Sthephanowitz, na Rede Brasil Atual:

Se o chamado "mensalão do PT" fez os jornalões criarem manchetes espetaculosas, analistas e colunistas fazerem ilações à vontade e foi assunto interminável nos meios políticos e jurídicos, o mensalão tucano, – apesar de ter menos réus e mais amigos no STF – ganhou da mídia tradicional o apelido de "mensalão mineiro", para descolar o caso do envolvimento de figuras do PSDB. Mesma mídia que varreu o escândalo para debaixo do tapete. Pois o mensalão tucano segue parado na Justiça confirmando o receio de todos os que esperam do Judiciário uma atuação imparcial, pouco importando para o desfecho do processo as características pessoais do réu – como sua filiação partidária. 

Liberdade para o preso político João Vaccari

Por Bepe Damasco, em seu blog:                                                                              

Nas masmorras da Lava Jato, na República de Curitiba, mofa o bancário João Vaccari Neto, ex-dirigente da CUT e do PT. Condenado pelo juiz Sérgio Moro apenas com base em delações, Vaccari, encarcerado há mais de dois anos, dá seguidos exemplos de dignidade e honradez, se negando a entrar para a história como alcaguete.

Vaccari é o único ex-tesoureiro de partido preso, embora as fontes de arrecadação de todas as agremiações partidárias tenham sido rigorosamente as mesmas durante o período em que a legislação permitia o financiamento empresarial. Mas, por ser do Partido dos Trabalhadores, só a sua torneira é considerada suja. As demais são limpinhas e transparentes.

As estranhas palestras de Moro e Dallagnol

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

Um novo fato volta a chamar atenção à cúpula que coordena a Operação Lava Jato. Há alguns dias começou a rodar no Twitter um post com a imagem de um site de palestras vendendo apresentações do procurador Deltan Dallagnol, que por sua vez vende em suas palestras conteúdo público, levantado no trabalho público que realiza na Lava Jato.

O Twitter viralizou, levando Dallagnol a usar sua conta pessoal no Facebook para desmentir o objetivo de lucro das palestras, deixando-o em uma situação complexa. Dallagnol dizia no texto que, por modéstia, não tinha divulgado que todo o dinheiro da palestra ia para uma grande causa, que era financiar ações do tipo Lava Jato.

As velhas malandragens do 'Jornal Nacional'

Do site Lula:

O Jornal Nacional contatou a assessoria do ex-presidente Lula às 20:31, com o telejornal já no ar. Quando a matéria foi exibida, minutos depois, disseram que não houve pronunciamento por parte do ex-presidente. O cenário do JN pode ser novo e cheio de tecnologia. Mas o jornalismo da Globo continua parcial e manipulador como nos comícios das Diretas, em 1984, ou no debate de 1989.

Segue abaixo a nota enviada e não lida pelo telejornal da família Marinho.

Moro, Lava Jato e os interesses dos EUA

Por Cesar Locatelli, no site Jornalistas Livres:

O juiz Sérgio Moro é louvado em verso e prosa pelos meios de comunicação tradicionais, nacionais e estrangeiros. Foi “personalidade do ano” pelo Globo, esteve entre “as 100 personalidades mais influentes” da revista Time, alçado à condição de 13o entre “os maiores líderes mundiais” pela revista Fortune e 10o entre os mais influentes da agência de notícias financeiras Bloomberg.

O que teria levado o juiz federal ao estrelato? Que apoios teria acumulado para se tornar uma quase unanimidade internacional? Certamente muitos se apressarão em concluir que foi seu trabalho destemido e incansável contra a corrupção. No entanto, outros tentaram e não tiveram sucesso com seus processos, nem tampouco viraram ídolos mundiais, muito ao contrário.

Vexames marcam turnê europeia de Temer

Por João Filho, no site The Intercept-Brasil:

Com 2% de popularidade e prestes a ser denunciado pela Procuradoria-Geral da República por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução à Justiça, o presidente ilegítimo Michel Temer saiu em nova turnê internacional. A primeira, em outubro do ano passado, quando visitou a China e a Índia, foi um deprimente festival de vexames. O momento mais triste foi quando Temer, mais “falastrão” que Josley, narrou em detalhes um almoço que teve com Putin durante o encontro dos BRICS. Mas faltou combinar com o russo, já que o almoço nunca aconteceu. Muito pelo contrário, o brasileiro foi o único dos presidentes do encontro que não teve uma reunião com o presidente russo - porque Putin não quis.

Comandante do Exército e a crise brasileira

Editorial do site Vermelho:

A mídia hegemônica não deu o destaque merecido, mas uma notícia importante desta semana foi a audiência pública, nesta quinta-feira (22), no Senado, com o general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército. Importante pela manifestação legalista, constitucional e patriótica do general ocupante daquele que no passado foi o Ministério do Exército.

O general constatou algo fundamental para avaliar o governo usurpador de Michel Temer: o Brasil não tem um projeto nacional, disse. Deixou de ter, poderia ter afirmado, pois o governo abandonou radicalmente qualquer veleidade de ênfase na soberania nacional e desenvolvimento do país.

'Reformas' de Temer e o novo colonialismo

Por Luís Eduardo Gomes, no site Sul-21:

Quais as consequências da reforma trabalhista para a classe trabalhadora? Essa foi a questão principal posta ao sociólogo Clemente Ganz Lúcio, atualmente diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Em uma conversa de cerca de 40 minutos na última semana, ele destacou que a legislação proposta pelo governo Temer altera drasticamente as relações de trabalho no Brasil, trazendo um efeito muito mais perverso e duradouro do que aqueles da sua irmã mais notória, a reforma da Previdência. Para ele, a permissão de que empresas contratem trabalhadores com contratos intermitentes, sem jornada definida, precariza de forma profunda a situação dos trabalhadores e, em vez de facilitar a geração de empregos, irá apenas tornar legal o que hoje é proibido.

sábado, 24 de junho de 2017

Greve geral: centrais desmentem a mídia

Por Altamiro Borges

Nos últimos dias, a mídia patronal fez de tudo para estimular a cizânia no sindicalismo com o objetivo de enfraquecer a greve geral marcada para 30 de junho. A revista Época, da famiglia Marinho, foi a primeira a difundir notícias falsas (“fakes”): “Após reabrir conversas com representantes do governo e ouvir apelos, Força Sindical e UGT desistiram de participar da greve geral. Os dirigentes das duas centrais acreditam que a greve se resumiria a um protesto ‘Fora, Temer’ e deixaria de lado questões que consideram importantes, como a reforma trabalhista e a da Previdência”, postou na semana passada.

Meirelles vai assaltar o seu FGTS?

Por Altamiro Borges

Nesta sexta-feira (23), em um evento promovido pela Câmara Americana de Comércio (Amcham), o czar da economia, Henrique Meirelles, confirmou que o covil golpista já estuda utilizar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço para substituir o pagamento do seguro-desemprego. A ideia seria usar o saldo do FGTS e a multa de 40%, paga nos casos de demissão sem justa causa, para repassar três parcelas ao trabalhador desempregado. O "ministro" jurou que a medida está "em fase embrionária", mas é bom ficar esperto. "Existem discussões na área econômica do governo, seja no Ministério da Fazenda, seja no Ministério do Planejamento, seja em outras áreas em diversos níveis, sobre diversas coisas que possam induzir o país a voltar a crescer", afirmou o cínico Henrique Meirelles diante da eufórica cloaca empresarial presente ao evento – que ainda sonha em ter o rentista como presidente eleito de forma indireta pelo Congresso Nacional no caso do descarte do Judas Michel Temer.

Temer faz crescer vergonha de ser brasileiro

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

"A crise consiste precisamente no fato de que o velho está morrendo e o novo ainda não pode nascer. Nesse interregno, uma grande variedade de sintomas mórbidos aparecem" (Antonio Gramsci).

Quase metade da população (47%) tem vergonha de ser brasileiro: este é o dado mais dramático da nova pesquisa Datafolha sobre o governo Michel Temer. Em dezembro, este índice era de 27%.

Nem precisava fazer pesquisa. Basta andar pelas ruas e ver a cara das pessoas.

Certamente, contribuiu para este sentimento de vergonha o festival de vexames promovido por Temer na fracassada viagem à Europa. Nunca se viu nada igual na diplomacia brasileira.

Temer na Noruega: fiasco e humilhação

Da revista CartaCapital:

Acossado pela iminente denúncia de corrupção que será feita pela Procuradoria-Geral da República, o presidente Michel Temer fez nesta semana uma viagem internacional na tentativa de criar uma "agenda positiva". Após uma passagem inócua pela Rússia de Vladimir Putin, Temer chegou na quinta-feira, 22, à Noruega. A empreitada pessoal terminou em fiasco e humilhação internacional para o Brasil.

Nesta sexta-feira, 23, em compromisso oficial em Oslo, capital da Noruega, Temer se confundiu duas vezes na mesma frase e cometeu uma gafe. Ao agradecer a hospitalidade das autoridades locais no nome da primeira-ministra Erna Solberg, Temer afirmou que a visita, apesar de rápida, iria estreitar os laços entre os dois países, e mencionou que visitaria o "parlamento brasileiro" ao lado do "rei da Suécia", outro país escandinavo. Na realidade, Temer visitaria o parlamento norueguês ao lado do rei da Noruega, Harald V.

STF jura lealdade eterna aos corruptores

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Em bom momento o Supremo interrompeu a votação sobre delações premiadas, num debate que será retomado na quarta-feira.

Apesar do placar de 7 a 0, que indica uma maioria matemática já formada num plenário de onze ministros, a pausa pode inspirar uma reflexão necessária, que envolve uma questão essencial da democracia.

Por trás desse debate, não se discute uma forma mais eficaz de combater a corrupção - objetivo com o qual o país inteiro está de acordo, ainda que existam divergências naturais quanto aos métodos empregados.

Datafolha dá número “favorável” a Temer

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

A pesquisa do Datafolha que o jornal publica hoje, ironicamente, deve estar sendo comemorada no Planalto.

Afinal – tudo é tão ridículo que só tratando com ironia – é muito mais do que os 3% que lhe deu a pesquisa Vox, há 20 dias, ou que os 2% registrados pelo Poder360, esta semana.

Depois, o jornal precisa estar “sintonizado” com quem o lê e, pela pesquisa que fez entre seus leitores, uma comunidade tão estranha em que 51% querem eleições indiretas – ao contrário do que (eles próprios admitem, na pesquisa de hoje) 83% dos brasileiros, que querem votar e eleger seu presidente.

Temer quer destruir a CLT e os sindicatos

Por Adilson Araújo, no site da CTB:

A contrarreforma trabalhista em tramitação no Senado é o mais sério golpe aos direitos e conquistas da classe trabalhadora já observado em nossa história. Nem mesmo o regime militar - apesar da violência e perseguições que promoveu - foi tão longe nos ataques à legislação que protege nosso povo trabalhador. A proposta dificulta o acesso dos assalariados à Justiça, permite o aumento da jornada, a redução de salários e benefícios e a precarização generalizada dos contratos.

A CTB considera os direitos trabalhistas inegociáveis. O projeto enviado pelo governo ao Congresso, sensivelmente piorado pelo relator Rogério Marinho, é inaceitável. Já a promessa de editar uma Medida Provisória com mudanças cosméticas em alguns pontos e a instituição de uma Contribuição Assistencial em substituição ao Imposto Sindical é um embuste, um canto de sereia com o qual o governo moribundo pretende desnortear e dividir o movimento sindical para melhor realizar o objetivo do golpe, que é destruir a CLT e os sindicatos.

A reforma trabalhista vai gerar empregos?

Por Juliane Furno, Christian Caldeira, Juliana Moreira, Euzébio Jorge e Ana Luíza Matos de Oliveira, no site Brasil Debate:

Em momentos de crise como o que estamos vivendo atualmente, costuma-se abrir um amplo debate social sobre a necessidade de reformas a fim de sanar problemas estruturais e solucionar os problemas de curto prazo. As principais reformas debatidas no Congresso Nacional –Previdenciária e Trabalhista – prometem o mesmo: reequilibrar a economia, gerar crescimento econômico e dotar os trabalhadores de garantias no futuro.

No caso da reforma trabalhista, veicula-se sua necessidade histórica justamente em um momento no qual o crescimento do número de trabalhadores desempregados figura como um dos principais problemas sociais.

Conselho de Ética "arquiva" Aécio

Por Cynara Menezes, no blog Socialista Morena:

Mais uma vez ficou comprovado que, em se tratando de denúncias envolvendo o PSDB, o verbo mais utilizado é “arquivar”: o presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado, senador João Alberto Souza (PMDB-MA), aproveitou a Casa vazia, em plena véspera de São João, para anunciar que ordenou o arquivamento da representação contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG), afastado do mandato desde maio por decisão do Supremo Tribunal Federal. Se repetem o roteiro e a percepção de que os tucanos são inimputáveis.

A ofensiva fundamentalista na educação

Por Alceu Luís Castilho, no site Outras Palavras:

Duas notícias aparentemente díspares, na semana passada, tomaram as redes sociais. E apontam para uma mesma tendência: fundamentalismo. Ambas tratam de educação. Uma delas foi uma peça publicitária contra as ciências humanas – disfarçada de jornalismo – no principal jornal paranaense, a Gazeta do Povo. A outra, a decisão do Ministério da Educação de recolher 98 mil exemplares de um livro por considerá-lo “impróprio”.

Essa aliança específica entre imprensa tradicional e o governo de Michel Temer não é casual. Está ligada à ideologia da Escola Sem Partido, por um lado, ao esvaziamento da diversidade e da perspectiva crítica no ensino. Por outro, aponta para uma migração de determinada posição moralista, não somente religiosa, refratária a temas que os jornalistas paranaenses e a equipe do ministro da Educação, Mendonça Filho, julgam incômodos.

Mídia reconhece falta de provas contra Lula

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

O que realmente espanta hoje no Brasil é a naturalidade com que o país está encarando a previsível condenação de Lula por Sergio Moro sem uma única prova.

Primeiro foi o próprio Ministério Público que, em suas alegações finais, admitiu não ter provas contra Lula.



Depois disso, alguns sites e blogs de direita e parte da grande mídia resolveram dar interpretações dúbias à confissão do Ministério Público de que não tem provas de que Lula recebeu um apartamento no Guarujá como propina por facilitar a vida da OAS em três contratos com a Petrobras.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Doria pode ser alvo de impeachment

Por Gabriel Valery, na Rede Brasil Atual:

A gestão do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), direcionou uma agência contratada pela Ambev para que obtivesse vantagem em uma licitação pública para o carnaval de rua de 2017. A denúncia de favorecimento, veiculada no início do mês pela Rádio CBN, levou o vereador Toninho Vespoli (Psol) a pedir abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Casa, que já conta o mínimo de 19 assinaturas para que o pedido seja acolhido e submetido ao plenário.

"A conduta de um agente público que visa macular um procedimento licitatório atenta contra os princípios da administração pública e, também, contra a lei de improbidade administrativa", disse o vereador à RBA. De acordo com o edital que organiza o carnaval de rua na cidade, publicado durante a gestão de Fernando Haddad (PT), vence o processo licitatório a proposta que privilegie segurança, limpeza, banheiros químicos e ambulâncias. Com Doria, não foi assim que funcionou.

Globo mete a mão na grana até pela Rouanet

Por Paulo Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

Um ministro de Geisel uma vez disse o seguinte num despacho para seu chefe: “Os jornais não vivem e nem sobrevivem sem o governo”.

Isto, segundo ele, era uma arma poderosíssima que a administração Geisel devia usar em sua relação com a imprensa.

Roberto Marinho, disse ainda o ministro, era mestre em pedir “favores especiais” a Geisel por conta do apoio que dava à ditadura.

Tudo isso está no livro Dossiê Geisel, feito com base em documentos pessoais de Geisel doados à Fundação Getúlio Vargas.

Nem de Lula ou da OAS: triplex é da Caixa

Por Cíntia Alves, no Jornal GGN:

A defesa do ex-presidente Lula apresentou, durante coletiva de imprensa em São Paulo, o teor das alegações finais sobre o caso triplex, cujo prazo para entrega ao juiz Sergio Moro termina nesta terça (20). Durante a exposição, o advogado Cristiano Zanin revelou que encontrou novas provas de que "nem Léo Pinheiro, nem a OAS tinham a disponibilidade do imóvel para dar ou oferecer a quem quer que seja".

Isso porque, desde 2010, o triplex, assim como os demais apartamentos do Condomínio Solaris, no Guarujá, foi entregue pela OAS a um fundo controlado pela Caixa Econômica Federal. Como nenhum depósito foi feito em conta bancária sinalizada pela Caixa, o triplex não foi liberado a ninguém, muito menos a Lula.

O janelão estilhaçado da Rede Globo

Por Tatiana Carlotti, no site Carta Maior:

Em tempos de golpe, a fragilidade das nossas instituições democráticas se escancara. Na seara da comunicação, enquanto a Mídia Alternativa luta pela sobrevivência, garantindo o mínimo do contraditório ao discurso hegemônico; as Organizações Globo, promotoras deste discurso, inauguram a nova sede do seu jornalismo.

A discrepância de forças ficou evidente na última segunda-feira (16.06.2017). Durante cinco minutos, o Jornal Nacional vendeu o aparato jornalístico a seus telespectadores, detalhando a metragem do novo espaço, o dobro do anterior, e suas 18 novas ilhas de edição.

Testemunhas desmontam acusações a Lula

Do site Lula:

Em depoimentos prestados nesta quinta-feira (22) ao juiz da 10a. Vara Federal de Brasília, testemunhas convocadas pelo Ministério Público Federal refutaram a acusação sobre suposta (e inexistente) interferência do ex-presidente Lula na escolha da empresa sueca Saab para a aquisição de caças pela FAB. Também refutaram a tese de que Lula teria influenciado a ex-presidenta Dilma Roussef a não vetar artigo incluído pelo Congresso na Medida Provisória 627, que estendeu de 2015 para 2020 a vigência dos benefícios fiscais para a indústria automobilística no Norte e Nordeste.

O "ministro" da Saúde e as mortes no RJ


A situação trágica da Saúde no Estado do Rio de Janeiro já tem contornos de filme de terror, pela falta de médicos e insumos hospitalares. Já são dezenas de vítimas da incúria e da falta de verbas em hospitais do Estado. Um exemplo foi o que aconteceu com a paciente Maria Elizete Vanderley da Silva, de 77 anos, internada no Hospital Federal de Bonsucesso domingo, com hemorragia digestiva.

Depois de esperar horas para ser intubada por um médico plantonista que deixou o hospital às 19h, ela sofreu uma parada cardiorrespiratória à 1h, quando não havia nenhum médico para socorrê-la. Morreu diante do pessoal da enfermagem, que no entanto não pôde ministrar nova medicação para dar conta do agravamento do quadro clínico da paciente.

O destino adiado de Aécio Neves

Por Matheus Pichonelli, no site The Intercept-Brasil:

O país viu um pouco de tudo desde o início da hecatombe política provocada pela Lava Jato. Só não viu ainda tucano algemado – fato raro desde que os primeiros portugueses pisaram por aqui. Na terça-feira (20) havia expectativa e apreensão diante da análise da 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal sobre a situação do senador afastado, e ainda na cúpula decisória do PSDB, Aécio Neves (MG).

Não deviam ser poucos os algozes que guardaram bebidas e rojões para a ocasião; menos ainda os que temiam as consequências políticas de um revés judicial. Um tucano encarcerado depois de mobilizar multidões por mudanças nos estatutos da ética alimentaria a sanha condenatória que tomou as redes e o país.

A luta contra a reforma trabalhista continua

Editorial do site Vermelho:

A derrota do governo golpista, nesta terça-feira (20), na Comissão de Assuntos Sociais do Senado, onde o parecer do relator ao Projeto de Lei 38/2017, que trata da reforma trabalhista, foi rejeitado por dez votos contra nove, é uma demonstração das dificuldades que o usurpador Michel Temer enfrenta para impor suas reformas reacionárias.

A votação, apertada, foi uma vitória dos trabalhadores e das centrais sindicais que se mobilizaram a uma só voz contra aquela “reforma” reacionária. E também dos senadores alinhados com o sentimento nacional. Eles votaram num ambiente de grande instabilidade política, onde há incertezas quanto a permanência do golpista Michel Temer à frente do governo.

Reforma trabalhista: Só propaganda!

Por Rodrigo Assis Mesquita, na revista Caros Amigos:

"Na nossa época atual, o discurso e a escrita política consistem, em grande parte, na defesa do indefensável". George Orwell, 1946

O projeto de reforma trabalhista enviado pelo Poder Executivo tinha por objetivo declarado valorizar a negociação coletiva. Relativamente enxuto, o texto original elencava treze situações em que o negociado prevalecia sobre o legislado, qualquer que fosse o resultado do acordo coletivo. Na Câmara dos Deputados, o texto foi substituído por um calhamaço ainda pior que altera a maior parte da CLT.

O discurso é o de que a legislação trabalhista brasileira é arcaica e deve ser modernizada para gerar mais empregos. "Reformar" e "modernizar" são duas palavras que trazem uma sensação positiva. Afinal, você só reforma aquilo que está velho ou quebrado e quase ninguém é contra coisas modernas, como smartphones metálicos, robôs e carros que andam sozinhos.

Aécio Neves pendura o PSDB em Michel Temer

Por Luiz Carlos Azenha, no blog Viomundo:

O maior especialista em Aécio Neves no Brasil é Rogério Correia.

Rogério Correia é deputado estadual do PT em Minas desde 1999.

Contando com os préstimos da revista Veja, Aécio e a irmã Andrea tentaram cassar o mandato de Rogério.

Rogério sabe de quase todos os podres de Aécio, dentre outros motivos, por ter conhecido o delator Nilton Monteiro.

Monteiro tem fama de achacador.

Os tucanos tentaram colar em Monteiro o rótulo de “petista”.

Temer parte de vez para seu universo paralelo

Por Pedro Breier, no blog Cafezinho:

O discurso de Michel Temer, ontem, na Rússia, é o delírio de um desesperado.

O ainda presidente disse que lidera “a mais ampla agenda de reformas das últimas décadas”. Falou, candidamente, que “é claro que há lá uma ou outra observação, uma ou outra objeção”.

A tal “uma ou outra objeção” é endossada, fora da realidade paralela em que vive Temer, pela esmagadora maioria da população, que não quer as reformas previdenciária e trabalhista propostas pelo governo.

No último levantamento, singelos 79% dos entrevistados querem a renúncia ou cassação de Temer. Surreais 2% apoiam a sua gestão.

“Classe média é feita de imbecil pela elite”

Por Sergio Lirio, na revista CartaCapital:

Em agosto, o sociólogo Jessé Souza lança novo livro, A Miséria da Elite – da Escravidão à Lava Jato. De certa forma, a obra compõe uma trilogia, ao lado de A Tolice da Inteligência Brasileira, de 2015, e de A Ralé Brasileira, de 2009, um esforço de repensar a formação do País.

Neste novo estudo, o ex-presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada aprofunda sua crítica à tese do patrimonialismo como origem de nossas mazelas e localiza na escravidão os genes de uma sociedade “sem culpa e remorso, que humilha e mata os pobres”. A mídia, a Justiça e a intelectualidade, de maneira quase unânime, afirma Souza na entrevista a seguir, estão a serviço dos donos do poder e se irmanam no objetivo de manter o povo em um estado permanente de letargia. A classe média, acrescenta, não percebe como é usada. “É feita de imbecil” pela elite.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Direita sonha em voz alta com Macron tropical

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Porta-vozes de uma espécie de sabedoria mundial importada de laboratórios ideológicos do império tentam transformar Emmanuel Macron, o novo presidente da França, numa espécie de modelo a seguir no Brasil de 2018.

"Com Macron, a França se afasta um pouco mais de propostas nacionalistas camufladas em discursos modernizantes", escreveu o Globo em editorial (9/5/2017).

Diante da vitória de Macron no segundo turno das eleições parlamentares, onde 75% das cadeiras terão novos ocupantes, o Estado de S. Paulo celebrou: "Tudo indica que a crise de representatividade, que atinge vários países de todos os continentes, está sendo resolvida ali rapidamente e sem maiores abalos." (20/6/2017)

'Le Monde" e o fiasco de Temer no mundo

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Sobre o fiasco da viagem de Michel Temer ao exterior, a reportagem de hoje do Le Monde, em versão em português pela Rádio França Internacional:

A estrela pálida do Brasil na cena internacional” é o título da análise que o Le Monde traz nesta quinta-feira, assinada pela sua correspondente no país, Claire Gatinois. Segundo ela, o presidente brasileiro ignorou a ameaça da Justiça e foi para Rússia em viagem oficial, posando até mesmo ao lado do chefe de Estado russo Vladimir Putin em um espetáculo do balé Bolshoi, em Moscou.

Comerciários debatem o poder da imprensa


Nesta quarta-feira, 21/6, o Sindicato dos Comerciários de Osasco e Região (Secor) realizou, no Teatro Municipal Glória Giglio, o seminário “Comunicação: ferramenta de mobilização e resistência dos trabalhadores”, que contou com a presença de, aproximadamente, 300 pessoas, entre sindicalistas, centrais sindicais, partidos, estudantes, autoridades e personalidades da região.

Para enriquecer o discurso, o Secor convidou grandes nomes atuais da luta pelos trabalhadores e pela democracia, sendo eles o membro da Coordenação Nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e da Frente Povo Sem Medo, Guilherme Boulos; o jornalista, blogueiro e coordenador do Centro de Estudos de Mídia Barão de Itararé e autor do livro “A ditadura da mídia”, Altamiro Borges; e a autora do blog Maria Frô, Conceição Oliveira.


PEC da Morte já mostra suas garras

Por Alexandre Padilha, na revista Fórum:

Uma instituição que atende a milhares de pessoas da cidade de São Paulo, do estado e do Brasil. Que realiza procedimentos de média e alta complexidade e é referência no Sistema Único de Saúde (SUS) em atendimento, ensino e pesquisa. O Hospital Universitário da Universidade Federal de São Paulo passa pela pior crise financeira de sua história, chegando a restringir atendimentos no pronto-socorro para apenas casos de urgência e emergência. Além disso, profissionais e alunos tiveram de organizar “vaquinhas” para a compra de materiais básicos.

O Instituto Arnaldo Vieira de Carvalho, especializado no tratamento de câncer, fazia 300 cirurgias oncológicas mensalmente, que foram reduzidas à metade. Está dispensando pacientes por falta de recursos financeiros.

Por que Temer ainda não caiu?

Por Roberto Amaral, em seu blog:

Muitos se perguntam: por que, após tantas denúncias, ditadas e repetidas por fontes as mais diversas, e insuspeitas, como a voz dos ex-sócios, Michel Temer ainda não caiu, quando foi tão fácil depor a presidente Dilma Rousseff?

Como se sustenta um presidente sem apoio no voto, ungido ao poder por um golpe de Estado midiático-parlamentar (onde começa a desmilinguir-se seu mando), e desfrutando do desapreço da população de seu país, de quem foge, acuado, escondido no bunker em que foi transformado o Palácio do Jaburu?

Vários fatores podem, no conjunto, constituir uma resposta mais ou menos satisfatória. Mas, antes de mais nada, lembremos que, divergências secundárias à parte, mantem-se de pé a coalizão econômico-política montada lá atrás para assegurar o impeachment. O capital financeiro, o agronegócio, as igrejas pentecostais e suas representações no Congresso e nos grandes meios de comunicação, permanecem unificados em torno das ‘reformas’, eufemismo com o qual se designa o projeto, em curso acelerado, de regressão política, social e econômica do País, cujo alcance paga qualquer preço.

O que o filho do Roberto Marinho não disse

A política externa dos golpistas

Por Igor Fuser, no jornal Brasil de Fato:

Os políticos golpistas instalados no poder em 2016 estão reeditando, com agravantes, as páginas mais vergonhosas da história da política externa brasileira. Tal como em situações constrangedoras do nosso passado, a linha de conduta adotada por José Serra, em sua breve passagem pelo comando do Itamaraty, e levada adiante por seu sucessor e “alter ego”, Aloysio Nunes Ferreira, tem como marca a submissão a interesses estrangeiros e o apoio ativo a forças antidemocráticas no exterior.

Esses elementos estão presentes nas três prioridades que, juntamente com a tarefa inglória de obter reconhecimento externo ao governo ilegítimo de Michel Temer, se estabeleceram em lugar da diplomacia “ativa e altiva” do período anterior: a) alinhamento incondicional aos Estados Unidos em todos os temas, fóruns e instâncias do sistema internacional; b) adesão irrestrita à globalização neoliberal; c) envolvimento ostensivo na campanha internacional para depor o presidente venezuelano Nicolás Maduro e esmagar a Revolução Bolivariana, devolvendo o poder à direita local, aliada aos EUA.

STJ rejeita censura à 'Falha de S.Paulo'

Da Rede Brasil Atual:

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorizou ontem (21) a veiculação do site Falha de S.Paulo – uma paródia do jornal Folha de S.Paulo. Por quatro votos a um, o colegiado entendeu que a proibição, pedida pela Folha, era uma tentativa de censura e fere à irreverência do direito ao entretenimento. O site estava fora do ar desde que o processo começou, em 2010.

O colegiado também rejeitou a tese da violação de marca, por usar tipologia semelhante, mas o ministro Luís Felipe Salomão rejeitou a tese, já que os dois veículos podem ser reproduzidos se destinadas a fins diferentes.

Parlamentares criam frente nacionalista

Do blog Nocaute:

Deputados e senadores formaram na quarta-feira (21/6) a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional. Composta por 19 senadores e 201 deputados, a Frente é presidida pelo senador Roberto Requião (PMDB-PR). A vice-presidente é a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM).

“A Frente em Defesa da Soberania Brasileira vai contra, fundamentalmente, o domínio do capital financeiro e essa história de privatizar o petróleo, a Petrobras. O petróleo nacional é o sangue do desenvolvimento de qualquer país moderno. Não podemos admitir que quando o mundo inteiro resolve crises de recessão com investimentos públicos (…) que o Brasil encolha investimentos, reduzindo salários e acabando com a demanda interna”, declarou Requião.

Equador denuncia tentativa de golpe

Do blog Resistência:

O vice-presidente do Equador Jorge Glas esteve, na última terça-feira (20), na Comissão de Fiscalização da Assembleia Nacional, onde assegurou que há, no Equador, um processo em curso para dar um golpe de Estado brando, contra o atual governo.

“Há um processo sistemático que tenta desacreditar o governo (…) Está em marcha no Equador um golpe de Estado brando, porém não vencerão” enfatizou o segundo mandatário, em relação à posição de certos setores que propõem o seu julgamento pela sua responsabilidade política no tratamento de setores estratégicos, nos quais foram detectados casos de corrupção.

“Este processo, que tem muitas similaridades com o que ocorreu no Brasil, esconde processos de desestabilização democrática para uma volta ao passado”, afirmou.

Como a Globo caiu nas mãos do FBI

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

Peça 1 – a corrupção histórica da FIFA

No dia 23 de maio passado, a edição em inglês do El Pais noticiava a prisão de Sandro Rosell, ex-presidente do Barcelona de 2010 a 2014, ex-executivo da Nike (https://goo.gl/R9W6yx).

Era uma notícia curiosa. O Ministério Público da Espanha prendeu Rosell e desvendou uma organização criminosa cujo epicentro estava no Brasil.

Preso na Espanha, Sandro Rosell foi quem trouxe a Nike para a Seleção brasileira.. Quando foi preso, El Pais, ABC e Publico manchetaram que “esquema brasileiro cai na França”.

As investigações mostraram que Rosell atuava em parceria com o ex-presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) Ricardo Teixeira através da empresa Alianto.

A demolição de direitos dos jornalistas

Por Flaviana Serafim, no site do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo:

A “reforma” trabalhista (PLC 38/2017), defendida pelo presidente ilegítimo Michel Temer (PSDB), será votada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado na próxima quarta-feira (28), terceira e última comissão na qual a proposta será discutida antes da decisão final pelos 81 senadores no plenário, prevista para a primeira semana de julho.

Nesta terça (21), a base do governo golpista sofreu uma derrota com a rejeição do relatório do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) por 10 votos a nove na Comissão de Assuntos Sociais (CAS). Na primeira votação, no último dia 6, foram 14 votos a favor e 11 contrários ao relatório na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

Temer lesa Pátria

Por Paulo Kliass, no site Carta Maior:

A verdadeira obstinação com que Michel Temer e sua turma se agarram ao poder a qualquer custo tem causado um profundo e extenso conjunto de maldades ao nosso país. No início, tudo parecia caminhar às mil maravilhas. A unificação dos grupos mais expressivos das classes dominantes em torno do projeto do golpeachment oferecia o sedutor ingresso para adentrar as portas do paraíso. Pouco importava, à época, se o casuísmo implicava destituir sem nenhuma base legal ou constitucional uma presidenta eleita democraticamente pela maioria da população. Afinal, tudo valia para colocar em prática o programa que havia sido derrotado nas urnas.

Jornal Nacional, 48 anos contra o Brasil

Por Renata Mielli, no site Mídia Ninja:

Nesta segunda-feira, 19 de junho, o Jornal Nacional foi um pouco diferente. A inauguração das novas dependências e do cenário do JN deram um tom de autocelebração ao noticiário noturno da Rede Globo de Televisão.

Um novo estúdio, de 1370 m2, com 189 profissionais, 18 ilhas de edição, câmeras robóticas, e toda uma parafernália tecnológica foi apresentada para tentar convencer o telespectador de que o compromisso do Jornal Nacional e da Rede Globo é com o jornalismo, com a “verdade” e com o Brasil. Tudo foi feito “pensando em gente e a serviço da informação” diz a reportagem.

Moro atropela lei brasileira

Por Gustavo Aranda, no site Jornalistas Livres:

O Juiz Sérgio Moro determinou em 2007 a criação de RG e CPF falsos e a abertura de uma conta bancária secreta para uso de um agente policial norte-americano, em investigação conjunta com a Polícia Federal do Brasil. No decorrer da operação, um brasileiro investigado nos EUA chegou a fazer uma remessa ilegal de US$ 100 mil para a conta falsa aberta no Banco do Brasil, induzido pelo agente estrangeiro infiltrado.

Na manhã da última terça-feira (20), os Jornalistas Livres questionaram o juiz paranaense sobre o assunto, por meio da assessoria de imprensa da Justiça Federal, que afirmou não ter tempo hábil para levantar as informações antes da publicação desta reportagem (leia mais abaixo).

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Cuba e a marcha ré dos EUA

Charge: Alfredo Martirena/Rebelión
Por Jaime Sautchuk, no site Vermelho:

O presidente Donald Trump deu marcha a ré em tudo o que vinha sendo feito pelo seu antecessor, Barack Obama, nas relações dos Estados Unidos com Cuba. Já era pouco, embora com clareza, num bom caminho.

Era um processo em marcha lenta, mas é inegável que bons avanços haviam sido realizados pra encurtar as distâncias diplomáticas entre os dois países, que geograficamente estão praticamente colados.

A posição de Trump sobre o assunto já era por demais conhecida, mas ele deixou pra fazer o anúncio oficial no reduto anticubano de Maiami, um foco de contrarrevolucionários fugidos da Ilha desde a época da gloriosa tomada do poder pelo povo, em 1959.


As provas de que o triplex não é de Lula

Do site Lula:

A Defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentou suas alegações finais nesta terça-feira (20) no processo que corre na 13ª Vara Federal de Curitiba referente a um edifício triplex no Guarujá. Na peça processual, estão anexados documentos que mostram que o imóvel objeto da ação judicial tem, desde 2010, seus direitos econômicos vinculados a um fundo de investimentos controlado pela Caixa Econômica Federal. Isso significa que a OAS, proprietária do bem na escritura registrada em cartório, não poderia fazer qualquer movimentação sem que a Caixa fosse informada, anuísse e recebesse por isso.

Nas trapalhadas do Planalto, a CIA e a URSS

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

Em meio ao clima de barata voa reinante em Brasília, duas siglas emblemáticas da Guerra Fria se juntaram nesta segunda-feira no pacote de trapalhadas do Palácio do Planalto.

A extinta URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas) ressuscitou na agenda presidencial e o chefe da CIA, a central de inteligência americana, teve sua identidade revelada pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

Antes da partida do voo para Moscou, com três horas de atraso, o site oficial do Palácio do Planalto anunciou a viagem do presidente Michel Temer para a República Socialista Federativa Soviética da Rússia, a antiga denominação do país durante o regime comunista, que durou de 1917 a 1991.

A recessão brasileira acabou?

Por Ricardo Carneiro, na revista CartaCapital:

Instigados por alguns indicadores positivos da economia brasileira nos últimos meses, a mídia especializada e várias associações patronais decretaram o fim da recessão econômica no País. Uma análise mais equilibrada mostra contudo uma alta ambiguidade desses indicadores, dos quais se pode inferir apenas que a velocidade da queda do PIB tem diminuído.

Concluir diferentemente e enxergar indícios de recuperação parece ser excesso de otimismo. Ou seja, não há respostas para a pergunta se a economia brasileira caminha para a recuperação ou à estagnação, examinando-se exclusivamente os dados estatísticos. Eles têm que ser interpretados por princípios analíticos mais sólidos para conduzir a uma conclusão mais robusta.

Globo decide combater a blogosfera

Por Miguel do Rosário, no blog Cafezinho:

O Conversa Afiada separou o trecho do discurso de Roberto Irineu Marinho, presidente do grupo Globo, em que ele praticamente admite que a preocupação central da Globo é com os seguintes temas: “guerra da contrainformação”, “fatos alternativos”, “teorias da conspiração” e o “mar de mentiras que nos assola, principalmente através da internet e das redes sociais”.

Segue abaixo, o trecho. Eu volto em seguida para comentar.

(…) A principal característica dessa crise política não é apenas a imprevisibilidade e o alto grau de incerteza, pois isso já aconteceu antes, é a guerra da contrainformação, dos fatos alternativos, das teorias da conspiração e, porque não dizer, do mar de mentiras que nos assola, principalmente através da internet e das redes sociais.

CTB-SP debate os desafios da conjuntura

Do site da CTB-SP:

No próximo final de semana, dias 24 e 25 de junho, a CTB-SP realizará seu 4º Congresso Estadual. A Central reunirá cerca de 250 delegados (as) e dirigentes sindicais para debater a conjuntura política nacional e estadual, aprovar o plano de lutas para o próximo período e a direção que conduzirá a entidade pelos próximos quatro anos.

Segundo Onofre Gonçalves, presidente estadual da CTB, o Congresso acontece em meio ao recrudescimento da luta de classes no país. “É um momento muito difícil da história do país, repleto de crises, desemprego e ameaças aos direitos dos trabalhadores. Ao mesmo tempo, é um período de tomada de consciência e de mobilização da classe trabalhadora, que tem feito uma luta sem trégua contra o governo Temer e suas reformas”.

A missão de um rato é ser um rato

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Michel Temer caminha, a passos largos, para deixar de ter uma minúscula biografia para ter um extenso prontuário.

Não se pode, claro, dar crédito imediato a todas as acusações, até porque os acusadores são criminosos confessos: Joesley Batista e Lúcio Funaro.

Mas elas vieram acompanhadas de gravações, malas e flagrantes que não são pequenos.

E, ainda mais convincentes por isso, encaixaram-se perfeitamente ao caráter miúdo e às práticas de vida dos acusados.

Shakespeare e a crise brasileira

Por Chico Whitaker, no site da Fundação Maurício Grabois:

Shakespeare, se vivesse no Brasil destes últimos dois anos, teria muita matéria para escrever mais algumas boas peças sobre intrigas e conspirações palacianas. Seguramente cunharia frases mais fortes do que a do príncipe Hamlet, um dos seus mais conhecidos personagens, ao lhe serem reveladas umas tantas coisas que se passavam na corte de que fazia parte: “Há algo de podre no reino da Dinamarca”. Mas não deixaria escapar coincidências que até agora, aqui em nossas terras, não chamaram muita atenção. Como as que surgem automaticamente em nossas cabeças ao se ler artigo do jornalista Mauro Lopes, recém publicado no site Outras Palavras: “Meirelles era o presidente do JBS e não sabia de nada”.

Previdência: Excluir para crescer?

Por Bráulio Santiago Cerqueira, no site Brasil Debate:

Muito se discute sobre a proposta de reforma da previdência (PEC no 287/2016) enviada pelo governo ao Congresso em dezembro de 2016, e agora em fase de votação na da Câmara (Substitutivo do relator). Pouco se fala, no entanto, da excepcionalidade da conjuntura econômica atual e dos pressupostos ortodoxos da reforma. Trazer estas questões à baila permite compreender que a proposta governamental não constitui exigência fiscal ou demográfica incontornável, muito menos escolha socialmente promissora.

A excepcionalidade do contexto econômico da reforma: recessão e colapso da receita previdenciária

A economia brasileira encontra-se em recessão desde fins de 2014. A retração média do PIB entre 2014 e 2016 chegou a – 2,3% a.a., queda superior às experimentadas no auge da crise da dívida externa no período 1981-1983 e na sequência do Plano Collor entre 1990 e 1992 [1].

A derrota dos golpistas no Senado

Por Bepe Damasco, em seu blog:                                                                            
O governo ilegítimo continua dispondo de ampla maioria, tanto na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) como no plenário do Senado, para aprovar a reforma trabalhista. Ainda mais por tratar-se de projeto de lei, cuja aprovação depende de maioria simples.

No entanto, a vitória da oposição por 10 votos a 9, na Comissão de Assuntos Sociais do Senado, nesta terça-feira, 20 de junho, vai além do aspecto meramente simbólico. Ela pode ser um fator de fortalecimento da luta contra as reformas, pelo Fora Temer e Diretas Já.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Os erros do PT e o golpe

Por Celso Vicenzi, em seu blog:

Há um argumento frequente nas redes sociais e nas conversas por aí, que embora falho, tem conquistado muitos adeptos. Diz-se, em linhas gerais, que o PT sabia quem era Temer e conhecia bem o PMDB e que, por isso, deve admitir que também errou, ou seja, aceitou correr riscos com essa aliança e, por conseguinte, justifica-se o golpe. Erros não faltam ao PT e a tantos outros partidos que ascenderam ao poder em algum momento da história. Mas nenhum deles pode ser pretexto para se aceitar um golpe.

Para governar é preciso obter maioria no Congresso e para isso recorre-se a coalizões políticas, aqui e em outros países. Errar na escolha das coalizões, no programa de governo ou no exercício do cargo, repito, não justifica um golpe.

Agenda dos golpistas ameaça a soberania

Por Patrus Ananias

Muita gente acreditou que o Estado Nação estava em declínio diante da chegada e do avanço do chamado neoliberalismo. Mas estamos vendo que mesmo setores mais conservadores, direitistas, como o presidente norte-americano Donald Trump, estão defendendo os interesses de seus países. Então, é fundamental termos claro que as nacionalidades estão presentes e que precisamos preservar a nacionalidade brasileira.

Aqui, a agenda dos golpistas está destruindo as conquistas que tivemos nos últimos anos com os governos Lula e Dilma, especialmente no campo social, e destruindo também a soberania nacional. Eles aprovaram a PEC 241, hoje Emenda Constitucional 95, que congela o Brasil por 20 anos. Congela os investimentos na área social (saúde, educação, assistência social, segurança alimentar) e congela também as obras de infraestrutura e os investimentos em pesquisa, ciência e tecnologia – áreas fundamentais para garantirmos a soberania e o desenvolvimento integrado e sustentável do Brasil.