terça-feira, 19 de maio de 2015

Aécio Neves fugiu do bafômetro na TV?

Por Altamiro Borges

O cambaleante Aécio Neves ainda não se curou da ressaca de outubro passado. Em rede nacional de rádio e tevê do PSDB, nesta terça-feira (19), ele voltou a esbanjar valentia contra a presidenta Dilma, tentando envolvê-la no esquema de corrupção da Petrobras – para justificar seu desejo recalcado de abertura do processo de impeachment. “O Brasil precisa saber definitivamente quem roubou, quem mandou roubar e que, sabendo de tudo, se calou ou nada fez para impedir”, esbravejou.

Ele poderia ter aproveitado o horário nobre para explicar o inexplicável aeroporto construído na fazenda do seu tio-avô, com recursos públicos, quando era governador de Minas Gerais. Ou o montante que foi garfado dos cofres do Estado para financiar as rádios da sua família. Também poderia esclarecer, de uma vez por todas, seu envolvimento na sinistra Lista de Furnas – que só não levou à inclusão do seu nome na Operação Lava-Jato graças à generosidade do juiz Sérgio Moro e do procurador-geral Rodrigo Janot e à cumplicidade da mídia tucana.

Talvez pela ausência no estúdio de um bafômetro – tão comum nas baladas no Rio de Janeiro –, o senador carioca-mineiro novamente tentou se travestir de vestal da ética. Aécio Neves acha que goza de muita credibilidade na sociedade. Um dia antes, no seu palanque eleitoral na Folha, ele comparou as gestões de FHC e Dilma. Para ele, o guru tucano, “em seus oito anos no Palácio do Planalto, perdeu popularidade, mas jamais a credibilidade”. Já a petista, “hoje comanda um governo sem rumo, sem projeto e sem credibilidade”.

Em rede nacional de rádio e televisão, o PSDB não apresentou qualquer proposta e voltou a explicitar que não tem rumo e projeto. Nas redes sociais, durante a exibição do programa, a hashtag “PSDBteupassadotecondena” confirmou o descrédito da legenda, hoje presidida por Aécio Neves, o cambaleante em prolongada ressaca! Ele que se cuide. Seus discursos raivosos não estão conseguido convencer nem seus pares. No ninho tucano, as bicadas são cada vez mais sangrentas.

Na semana passada, por exemplo, o governador Geraldo Alckmin, com seu estilo de “picolé de chuchu”, garantiu maior espaço para seu grupo político na composição da próxima executiva nacional do PSDB. A própria Folha tucana registrou o golpe: “Os alckministas acham que o paulista foi o principal vitorioso em 2014 e não pode ser sub-representado. Ele e Aécio devem disputar internamente para concorrer ao Planalto em 2018”. Pelo jeito, só restará a companhia dos “paneleiros” para o cambaleante tucano.

*****

Leia também:







3 comentários:

maria do carmo dosos Santos disse...

Esta dificil aguentar o Aecio, fala feito metralhadora descontrolado ele nao cai na real perdeu as eleicoes, nao trabalha e nao deixa que os outro trabalhem, e caso para psiquiatra e agride direto a presidenta, quer dizer o que a Dilma deve fazer, calunias que imaginacao fertil e patologico . Alguem tem que traze-lo a realidade hoje por exemplo nao fala do programa do partido, so agressoes.

sergio m pinto disse...

Por acaso, o Ah! é sim é favorável a investigar a Petrobrás nos anos anteriores a 2003?

Anônimo disse...

Acrescente também a famigerada Lei 100 e os gastos insanos na Cidade Administrativa (que por incrivel que pareça, eu até que achei uma boa ideia, até que eu vi a metodologia insana para a escolha e pagamento às empreiteiras que a construiram e a falacia de que a obra iria ajudar a diminuir os custos administrativos, que em 2014 já eram maiores, com valores corrigidos, do que em 2000)