domingo, 27 de abril de 2014

A origem e o significado do 1º de Maio

Por Altamiro Borges

“Se acreditais que enforcando-nos podeis conter o movimento operário, esse movimento constante em que se agitam milhões de homens que vivem na miséria, os escravos do salário; se esperais salvar-vos e acreditais que o conseguireis, enforcai-nos! Então vos encontrarei sobre um vulcão, e daqui e de lá, e de baixo e ao lado, de todas as partes surgirá a revolução. É um fogo subterrâneo que mina tudo”. Augusto Spies, 31 anos, diretor do jornal Diário dos Trabalhadores. 

A nossa República começou em 1984

Por Ricardo Kotscho, no blog Balaio do Kotscho:

Agora, que todo mundo já chama golpe de golpe e não fala mais em "Revolução Democrática de 1964"; agora, que se conta em prosa, verso e imagens como a Campanha das Diretas Já mobilizou o país inteiro na luta pela volta da democracia, nas maiores manifestações cívicas da nossa História, não consigo esquecer daquela madrugada de 26 de abril de 1984, no Congresso Nacional, quando faltaram apenas 22 votos para a aprovação da Emenda Dante de Oliveira.

Erros da Petrobras, de Dilma e da mídia

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

É curiosa a maneira como se desenvolve o jogo de slogans no mercado de notícias.
Com uma exceção, a entrevista de José Sérgio Gabrielli ao Estadão sobre o caso Pasadena bate integralmente com o depoimento de Graça Foster no Senado - ele, ex-presidente, ela, atual presidente da Petrobras.

EUA são colonialistas na internet

Do site Vermelho:

Estados Unidos, Reino Unido e seus aliados têm agido como colonialistas na internet, afirmou Julian Assange nesta quinta-feira (24). O fundador do WikiLeaks participou, por meio de videoconferência, do evento Arena NET Mundial, que teve debates sobre o espaço virtual.

África do Sul: 20 anos pós-apartheid

Por Emir Sader, no site Carta Maior:

Ao mesmo tempo em que comemora os 20 anos da eleição de Nelson Mandela como presidente e o fim do apartheid (24/4/1994), a África do Sul se prepara para sua quinta eleição presidencial, dia 7 de maio. O contraste não poderia ser maior entre a gestão final do regime de apartheid – simbolizado pela figura do Mandela, mais engrandecida ainda com as cerimônias da sua morte – e o descontentamento e o desânimo com as novas eleições presidenciais.

A "coincidência" no ataque a Padilha

pigimprensagolpista.blogspot.com.br
Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:


Um dia após o início das inserções semestrais do Partido dos Trabalhadores na TV (em 23/4) eclodiu a notícia de que a Polícia Federal detectou menção do deputado André Vargas ao pré-candidato ao governo paulista Alexandre Padilha – Vargas disse ao doleiro Youssef que Padilha indicou executivo para o Labogen, laboratório do doleiro usado em lavagem de dinheiro.

Padilha e o assassinato de reputações

pigimprensagolpista.blogspot.com.br
Por Renato Rovai, em seu blog:

Alexandre Padilha e sua candidatura estão sofrendo um bombardeio midiático por conta de seu nome ter sido citado na investigação da PF no caso da investigação do doleiro Alberto Youssef. A citação por enquanto se apresenta como algo solto, sem nenhum indício concreto que tenha resultado em vantagem a partir do ministério da Saúde para os indiciados. Muito diferente do que se tem no caso Alstom-Siemens, onde há confissão de culpa de empresas e personagens centrais do esquema, que citam um cartel operando a partir de interesses de grãos-tucanos do Estado.

A estratégia tucana contra a Petrobras

Por Claudio Puty, no site da Fundação Mauricio Grabois:

Os tucanos passaram oito anos no poder tentando, de todas as formas, privatizar a nossa maior empresa, a Petrobras, criada em 1953 na esteira da campanha nacionalista "O petróleo é nosso". Agora, a pretexto de investigar supostas irregularidades na compra, pela estatal, de uma refinaria em Pasadena (Texas) em 2006, a oposição procura enfraquecer a imagem da empresa, uma das maiores conquistas do povo brasileiro. Essa é a principal função da CPI pedida no Senado.

40 anos depois da Revolução dos Cravos

Por Marana Borges, no site Opera Mundi:

Que o poema seja microfone e fale
uma noite destas de repente às tres e tal
para que a Lua estoire e o sono estale
e a gente acorde finalmente em Portugal
[excerto de Poemarma, 1967]

Esses versos do poeta Manuel Alegre, de 77 anos, estranhamente anteciparam o movimento que, na madrugada de 25 de Abril de 1974, tomaria o Terreiro do Paço e o Quartel do Carmo, em Lisboa, enchendo as ruas de cravos vermelhos e depondo o então ditador Marcello Caetano. Ele substituiu Salazar e se exilaria depois no Rio de Janeiro, trabalhando como professor universitário de Direito. O profético poema, difundido anos antes em fotocópias clandestinas, tornou-se em uma forte poética da mudança.

A nossa cerveja é transgênica?

Por Flávio Siqueira Júnior e Ana Paula Bortoletto, no site Outras Palavras:

Depois da dúvida levantada no texto publicado em Outras Palavras em 28/02/2014, e da grande repercussão das suspeitas sobre possível presença de milho transgênico na cerveja brasileira, nada aconteceu. Ou… quase nada.