domingo, 29 de abril de 2012

Serra deu R$ 34 milhões à Editora Abril

Do portal R7:

Um levantamento feito junto ao Diário Oficial do Estado de São Paulo mostra que o ex-governador José Serra, quando ocupava o cargo, pagou cerca de R$ 34 milhões ao longo de um ano ao Grupo Abril, responsável pela publicação da revista Veja.

Socialites são viúvas do Demóstenes

1º de Maio e a histeria da mídia

Por Altamiro Borges

Já virou rotina. Sempre que se aproxima a comemoração do Dia Internacional do Trabalhador, a mídia patronal publica editoriais e “reporcagens” contra o sindicalismo. É a mesma ladainha: as leis trabalhistas são “anacrônicas” e “engessam” o crescimento econômico, há libertinagem nas greves e o Brasil caminha para uma “república sindicalista” – o refrão preferido dos golpistas de 1964.

202 milhões de desempregados no mundo

Por Altamiro Borges

Na véspera das manifestações do 1º de Maio, a Organização Internacional do Trabalho divulgou hoje (29) um estudo que justifica a realização de combativos protestos no mundo inteiro. A OIT prevê que, até o final deste ano, o número de desempregados  deverá passar de 202 milhões – um aumento de seis milhões em relação a 2011.

Efeitos do tuitaço da conta de luz

Por Altamiro Borges

Na última terça-feira (24), milhares de internautas protestaram contra um roubo de R$ 7 bilhões nas contas de energia elétrica. A hashtag “erronacontadeluz” ficou em primeiro lugar no twitter. A manifestação virtual foi organizada pela Frente de Defesa dos Consumidores de Energia Elétrica, composta pelo Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Fundação Procon SP, ONG Proteste e pela Federação Nacional dos Engenheiros.

A origem e o significado do 1º de Maio

Por Altamiro Borges

“Se acreditais que enforcando-nos podeis conter o movimento operário, esse movimento constante em que se agitam milhões de homens que vivem na miséria, os escravos do salário; se esperais salvar-vos e acreditais que o conseguireis, enforcai-nos! Então vos encontrarei sobre um vulcão, e daqui e de lá, e de baixo e ao lado, de todas as partes surgirá a revolução. É um fogo subterrâneo que mina tudo”. Augusto Spies, 31 anos, diretor do jornal Diário dos Trabalhadores.

“Se tenho que ser enforcado por professar minhas idéias, por meu amor à liberdade, à igualdade e à fraternidade, então nada tenho a objetar. Se a morte é a pena correspondente à nossa ardente paixão pela redenção da espécie humana, então digo bem alto: minha vida está à disposição. Se acreditais que com esse bárbaro veredicto aniquilais nossas idéias, estais muito enganados, pois elas são imortais''. Adolf Fischer, 30 anos, jornalista.

“Em que consiste meu crime? Em ter trabalhado para a implantação de um sistema social no qual seja impossível o fato de que enquanto uns, os donos das máquinas, amontoam milhões, outros caem na degradação e na miséria. Assim como a água e o ar são para todos, também a terra e as invenções dos homens de ciência devem ser utilizadas em benefício de todos. Vossas leis se opõem às leis da natureza e utilizando-as roubais às massas o direito à vida, à liberdade e ao bem-estar”. George Engel, 50 anos, tipógrafo.

“Acreditais que quando nossos cadáveres tenham sido jogados na fossa tudo terá se acabado? Acreditais que a guerra social se acabará estrangulando-nos barbaramente. Pois estais muito enganados. Sobre o vosso veredicto cairá o do povo americano e do povo de todo o mundo, para demonstrar vossa injustiça e as injustiças sociais que nos levam ao cadafalso”. Albert Parsons lutou na guerra da secessão nos EUA.


Patrões bancam núcleo sindical do PSDB

Por Altamiro Borges

Na sexta-feira (27), o PSDB promoveu o primeiro congresso do seu “núcleo sindical”, em São Paulo. Para isso, ele precisou contar com uma ajudinha dos empresários – que ajudaram a financiar o evento e ainda “liberaram” os seus funcionários para garantir a plateia. A própria mídia patronal não teve como esconder a cena dantesca, o que mostra o ridículo do “núcleo sindical” tucano.

Os escândalos dos agentes dos EUA

Por Altamiro Borges

Segundo a Folha de hoje, “o Serviço Secreto dos EUA determinou regras de comportamento mais duras para os seus funcionários no exterior, que incluem veto a locais de ‘má reputação’ e a proibição de levar estrangeiros para quartos de hotéis”. A medida decorre dos recentes escândalos envolvendo agentes de segurança ianques em vários países da América Latina.

Veja: jornalismo ou cumplicidade?

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Não está em pauta, na CPI do Cachoeira, o sigilo de fontes jornalísticas.

Ninguém se interessa em saber qual foi a fonte do senhor Policarpo Júnior, da Veja, para os oito anos de matérias bombásticas, com gravações de diálogos escusos e revelação de supostos negócios ilegais.

Não tem interesse, porque todos já sabem: Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, o “empresário de jogos”.