domingo, 25 de junho de 2017

Gilmar, Aécio e os "sorteios" no STF

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

Está ficando claro para todos os brasileiros como a Justiça trata políticos de forma diferente de acordo com a filiação partidária de cada um. O caso mais emblemático é o de Aécio Neves. Há pouco mais de um mês, o país ouviu, estarrecido, o tucano confessar vários crimes. Qualquer pessoa nessa situação teria sido presa em flagrante. Mas Aécio não é qualquer pessoa.

E quando digo “qualquer pessoa”, incluo pessoas com foro privilegiado.

Tanto o senador tucano Aécio Neves quanto o ex-senador petista Delcídio do Amaral foram pegos em flagrante confessando atos criminosos. Adivinhe, leitor, qual dos dois foi preso e qual ficou livre como um pássaro.

Impunidade nos 12 anos do 'mensalão tucano'

Por Helena Sthephanowitz, na Rede Brasil Atual:

Se o chamado "mensalão do PT" fez os jornalões criarem manchetes espetaculosas, analistas e colunistas fazerem ilações à vontade e foi assunto interminável nos meios políticos e jurídicos, o mensalão tucano, – apesar de ter menos réus e mais amigos no STF – ganhou da mídia tradicional o apelido de "mensalão mineiro", para descolar o caso do envolvimento de figuras do PSDB. Mesma mídia que varreu o escândalo para debaixo do tapete. Pois o mensalão tucano segue parado na Justiça confirmando o receio de todos os que esperam do Judiciário uma atuação imparcial, pouco importando para o desfecho do processo as características pessoais do réu – como sua filiação partidária. 

Liberdade para o preso político João Vaccari

Por Bepe Damasco, em seu blog:                                                                              

Nas masmorras da Lava Jato, na República de Curitiba, mofa o bancário João Vaccari Neto, ex-dirigente da CUT e do PT. Condenado pelo juiz Sérgio Moro apenas com base em delações, Vaccari, encarcerado há mais de dois anos, dá seguidos exemplos de dignidade e honradez, se negando a entrar para a história como alcaguete.

Vaccari é o único ex-tesoureiro de partido preso, embora as fontes de arrecadação de todas as agremiações partidárias tenham sido rigorosamente as mesmas durante o período em que a legislação permitia o financiamento empresarial. Mas, por ser do Partido dos Trabalhadores, só a sua torneira é considerada suja. As demais são limpinhas e transparentes.

As estranhas palestras de Moro e Dallagnol

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

Um novo fato volta a chamar atenção à cúpula que coordena a Operação Lava Jato. Há alguns dias começou a rodar no Twitter um post com a imagem de um site de palestras vendendo apresentações do procurador Deltan Dallagnol, que por sua vez vende em suas palestras conteúdo público, levantado no trabalho público que realiza na Lava Jato.

O Twitter viralizou, levando Dallagnol a usar sua conta pessoal no Facebook para desmentir o objetivo de lucro das palestras, deixando-o em uma situação complexa. Dallagnol dizia no texto que, por modéstia, não tinha divulgado que todo o dinheiro da palestra ia para uma grande causa, que era financiar ações do tipo Lava Jato.

As velhas malandragens do 'Jornal Nacional'

Do site Lula:

O Jornal Nacional contatou a assessoria do ex-presidente Lula às 20:31, com o telejornal já no ar. Quando a matéria foi exibida, minutos depois, disseram que não houve pronunciamento por parte do ex-presidente. O cenário do JN pode ser novo e cheio de tecnologia. Mas o jornalismo da Globo continua parcial e manipulador como nos comícios das Diretas, em 1984, ou no debate de 1989.

Segue abaixo a nota enviada e não lida pelo telejornal da família Marinho.

Moro, Lava Jato e os interesses dos EUA

Por Cesar Locatelli, no site Jornalistas Livres:

O juiz Sérgio Moro é louvado em verso e prosa pelos meios de comunicação tradicionais, nacionais e estrangeiros. Foi “personalidade do ano” pelo Globo, esteve entre “as 100 personalidades mais influentes” da revista Time, alçado à condição de 13o entre “os maiores líderes mundiais” pela revista Fortune e 10o entre os mais influentes da agência de notícias financeiras Bloomberg.

O que teria levado o juiz federal ao estrelato? Que apoios teria acumulado para se tornar uma quase unanimidade internacional? Certamente muitos se apressarão em concluir que foi seu trabalho destemido e incansável contra a corrupção. No entanto, outros tentaram e não tiveram sucesso com seus processos, nem tampouco viraram ídolos mundiais, muito ao contrário.

Vexames marcam turnê europeia de Temer

Por João Filho, no site The Intercept-Brasil:

Com 2% de popularidade e prestes a ser denunciado pela Procuradoria-Geral da República por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução à Justiça, o presidente ilegítimo Michel Temer saiu em nova turnê internacional. A primeira, em outubro do ano passado, quando visitou a China e a Índia, foi um deprimente festival de vexames. O momento mais triste foi quando Temer, mais “falastrão” que Josley, narrou em detalhes um almoço que teve com Putin durante o encontro dos BRICS. Mas faltou combinar com o russo, já que o almoço nunca aconteceu. Muito pelo contrário, o brasileiro foi o único dos presidentes do encontro que não teve uma reunião com o presidente russo - porque Putin não quis.

Comandante do Exército e a crise brasileira

Editorial do site Vermelho:

A mídia hegemônica não deu o destaque merecido, mas uma notícia importante desta semana foi a audiência pública, nesta quinta-feira (22), no Senado, com o general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército. Importante pela manifestação legalista, constitucional e patriótica do general ocupante daquele que no passado foi o Ministério do Exército.

O general constatou algo fundamental para avaliar o governo usurpador de Michel Temer: o Brasil não tem um projeto nacional, disse. Deixou de ter, poderia ter afirmado, pois o governo abandonou radicalmente qualquer veleidade de ênfase na soberania nacional e desenvolvimento do país.

'Reformas' de Temer e o novo colonialismo

Por Luís Eduardo Gomes, no site Sul-21:

Quais as consequências da reforma trabalhista para a classe trabalhadora? Essa foi a questão principal posta ao sociólogo Clemente Ganz Lúcio, atualmente diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Em uma conversa de cerca de 40 minutos na última semana, ele destacou que a legislação proposta pelo governo Temer altera drasticamente as relações de trabalho no Brasil, trazendo um efeito muito mais perverso e duradouro do que aqueles da sua irmã mais notória, a reforma da Previdência. Para ele, a permissão de que empresas contratem trabalhadores com contratos intermitentes, sem jornada definida, precariza de forma profunda a situação dos trabalhadores e, em vez de facilitar a geração de empregos, irá apenas tornar legal o que hoje é proibido.

sábado, 24 de junho de 2017

Greve geral: centrais desmentem a mídia

Por Altamiro Borges

Nos últimos dias, a mídia patronal fez de tudo para estimular a cizânia no sindicalismo com o objetivo de enfraquecer a greve geral marcada para 30 de junho. A revista Época, da famiglia Marinho, foi a primeira a difundir notícias falsas (“fakes”): “Após reabrir conversas com representantes do governo e ouvir apelos, Força Sindical e UGT desistiram de participar da greve geral. Os dirigentes das duas centrais acreditam que a greve se resumiria a um protesto ‘Fora, Temer’ e deixaria de lado questões que consideram importantes, como a reforma trabalhista e a da Previdência”, postou na semana passada.

Meirelles vai assaltar o seu FGTS?

Por Altamiro Borges

Nesta sexta-feira (23), em um evento promovido pela Câmara Americana de Comércio (Amcham), o czar da economia, Henrique Meirelles, confirmou que o covil golpista já estuda utilizar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço para substituir o pagamento do seguro-desemprego. A ideia seria usar o saldo do FGTS e a multa de 40%, paga nos casos de demissão sem justa causa, para repassar três parcelas ao trabalhador desempregado. O "ministro" jurou que a medida está "em fase embrionária", mas é bom ficar esperto. "Existem discussões na área econômica do governo, seja no Ministério da Fazenda, seja no Ministério do Planejamento, seja em outras áreas em diversos níveis, sobre diversas coisas que possam induzir o país a voltar a crescer", afirmou o cínico Henrique Meirelles diante da eufórica cloaca empresarial presente ao evento – que ainda sonha em ter o rentista como presidente eleito de forma indireta pelo Congresso Nacional no caso do descarte do Judas Michel Temer.

Temer faz crescer vergonha de ser brasileiro

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

"A crise consiste precisamente no fato de que o velho está morrendo e o novo ainda não pode nascer. Nesse interregno, uma grande variedade de sintomas mórbidos aparecem" (Antonio Gramsci).

Quase metade da população (47%) tem vergonha de ser brasileiro: este é o dado mais dramático da nova pesquisa Datafolha sobre o governo Michel Temer. Em dezembro, este índice era de 27%.

Nem precisava fazer pesquisa. Basta andar pelas ruas e ver a cara das pessoas.

Certamente, contribuiu para este sentimento de vergonha o festival de vexames promovido por Temer na fracassada viagem à Europa. Nunca se viu nada igual na diplomacia brasileira.

Temer na Noruega: fiasco e humilhação

Da revista CartaCapital:

Acossado pela iminente denúncia de corrupção que será feita pela Procuradoria-Geral da República, o presidente Michel Temer fez nesta semana uma viagem internacional na tentativa de criar uma "agenda positiva". Após uma passagem inócua pela Rússia de Vladimir Putin, Temer chegou na quinta-feira, 22, à Noruega. A empreitada pessoal terminou em fiasco e humilhação internacional para o Brasil.

Nesta sexta-feira, 23, em compromisso oficial em Oslo, capital da Noruega, Temer se confundiu duas vezes na mesma frase e cometeu uma gafe. Ao agradecer a hospitalidade das autoridades locais no nome da primeira-ministra Erna Solberg, Temer afirmou que a visita, apesar de rápida, iria estreitar os laços entre os dois países, e mencionou que visitaria o "parlamento brasileiro" ao lado do "rei da Suécia", outro país escandinavo. Na realidade, Temer visitaria o parlamento norueguês ao lado do rei da Noruega, Harald V.

STF jura lealdade eterna aos corruptores

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Em bom momento o Supremo interrompeu a votação sobre delações premiadas, num debate que será retomado na quarta-feira.

Apesar do placar de 7 a 0, que indica uma maioria matemática já formada num plenário de onze ministros, a pausa pode inspirar uma reflexão necessária, que envolve uma questão essencial da democracia.

Por trás desse debate, não se discute uma forma mais eficaz de combater a corrupção - objetivo com o qual o país inteiro está de acordo, ainda que existam divergências naturais quanto aos métodos empregados.

Datafolha dá número “favorável” a Temer

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

A pesquisa do Datafolha que o jornal publica hoje, ironicamente, deve estar sendo comemorada no Planalto.

Afinal – tudo é tão ridículo que só tratando com ironia – é muito mais do que os 3% que lhe deu a pesquisa Vox, há 20 dias, ou que os 2% registrados pelo Poder360, esta semana.

Depois, o jornal precisa estar “sintonizado” com quem o lê e, pela pesquisa que fez entre seus leitores, uma comunidade tão estranha em que 51% querem eleições indiretas – ao contrário do que (eles próprios admitem, na pesquisa de hoje) 83% dos brasileiros, que querem votar e eleger seu presidente.

Temer quer destruir a CLT e os sindicatos

Por Adilson Araújo, no site da CTB:

A contrarreforma trabalhista em tramitação no Senado é o mais sério golpe aos direitos e conquistas da classe trabalhadora já observado em nossa história. Nem mesmo o regime militar - apesar da violência e perseguições que promoveu - foi tão longe nos ataques à legislação que protege nosso povo trabalhador. A proposta dificulta o acesso dos assalariados à Justiça, permite o aumento da jornada, a redução de salários e benefícios e a precarização generalizada dos contratos.

A CTB considera os direitos trabalhistas inegociáveis. O projeto enviado pelo governo ao Congresso, sensivelmente piorado pelo relator Rogério Marinho, é inaceitável. Já a promessa de editar uma Medida Provisória com mudanças cosméticas em alguns pontos e a instituição de uma Contribuição Assistencial em substituição ao Imposto Sindical é um embuste, um canto de sereia com o qual o governo moribundo pretende desnortear e dividir o movimento sindical para melhor realizar o objetivo do golpe, que é destruir a CLT e os sindicatos.

A reforma trabalhista vai gerar empregos?

Por Juliane Furno, Christian Caldeira, Juliana Moreira, Euzébio Jorge e Ana Luíza Matos de Oliveira, no site Brasil Debate:

Em momentos de crise como o que estamos vivendo atualmente, costuma-se abrir um amplo debate social sobre a necessidade de reformas a fim de sanar problemas estruturais e solucionar os problemas de curto prazo. As principais reformas debatidas no Congresso Nacional –Previdenciária e Trabalhista – prometem o mesmo: reequilibrar a economia, gerar crescimento econômico e dotar os trabalhadores de garantias no futuro.

No caso da reforma trabalhista, veicula-se sua necessidade histórica justamente em um momento no qual o crescimento do número de trabalhadores desempregados figura como um dos principais problemas sociais.

Conselho de Ética "arquiva" Aécio

Por Cynara Menezes, no blog Socialista Morena:

Mais uma vez ficou comprovado que, em se tratando de denúncias envolvendo o PSDB, o verbo mais utilizado é “arquivar”: o presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado, senador João Alberto Souza (PMDB-MA), aproveitou a Casa vazia, em plena véspera de São João, para anunciar que ordenou o arquivamento da representação contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG), afastado do mandato desde maio por decisão do Supremo Tribunal Federal. Se repetem o roteiro e a percepção de que os tucanos são inimputáveis.

A ofensiva fundamentalista na educação

Por Alceu Luís Castilho, no site Outras Palavras:

Duas notícias aparentemente díspares, na semana passada, tomaram as redes sociais. E apontam para uma mesma tendência: fundamentalismo. Ambas tratam de educação. Uma delas foi uma peça publicitária contra as ciências humanas – disfarçada de jornalismo – no principal jornal paranaense, a Gazeta do Povo. A outra, a decisão do Ministério da Educação de recolher 98 mil exemplares de um livro por considerá-lo “impróprio”.

Essa aliança específica entre imprensa tradicional e o governo de Michel Temer não é casual. Está ligada à ideologia da Escola Sem Partido, por um lado, ao esvaziamento da diversidade e da perspectiva crítica no ensino. Por outro, aponta para uma migração de determinada posição moralista, não somente religiosa, refratária a temas que os jornalistas paranaenses e a equipe do ministro da Educação, Mendonça Filho, julgam incômodos.

Mídia reconhece falta de provas contra Lula

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

O que realmente espanta hoje no Brasil é a naturalidade com que o país está encarando a previsível condenação de Lula por Sergio Moro sem uma única prova.

Primeiro foi o próprio Ministério Público que, em suas alegações finais, admitiu não ter provas contra Lula.



Depois disso, alguns sites e blogs de direita e parte da grande mídia resolveram dar interpretações dúbias à confissão do Ministério Público de que não tem provas de que Lula recebeu um apartamento no Guarujá como propina por facilitar a vida da OAS em três contratos com a Petrobras.