sexta-feira, 1 de julho de 2016

Conexões tucanas na Operação Saqueador

Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

Uma das prisões realizadas hoje pela operação O Saqueador, da Polícia Federal, deve estar preocupando alguns tucanos. É a do empresário Adir Assad, condenado pela Lava Jato que cumpria prisão domiciliar desde dezembro. Ele tem uma conhecida conexão com Paulo Vieira de Sousa , o Paulo Preto, tido como operador financeiro do PSDB paulista. A Operação prendeu também o bicheiro Carlinhos Cachoeira e mira também o dono da Construtora Delta, Fernando Cavendish, que está fora do país.

Fraude do impeachment e corrupção de Temer

Por Glenn Greenwald, no blog The Intercept:

Desde o começo da campanha para impedir a presidente democraticamente eleita, Dilma Rousseff, a principal justificativa era de que ela havia se utilizado do artifício conhecido como “pedaladas” (“peddling”: atraso ilegal de pagamentos aos bancos estatais) para mascarar a dívida pública. Mas nesta semana, enquanto o Senado conduz o julgamento do impeachment, esta acusação foi suprimida: o relatório de peritos do Senado concluiu que “não há indício de ação direta ou indireta de Dilma” em nenhuma destas manobras orçamentárias

Como colocou a Associated Press: “Auditores independentes contratados pelo Senado brasileiro disseram em relatório divulgado na terça-feira que a presidente suspensa Dilma Rousseff não agiu na modificação da contabilidade de que foi acusada no julgamento de seu impeachment”. Em outras palavras, os próprios técnicos do Senado esvaziaram o primeiro argumento na defesa de que o impeachment era outra coisa que não um golpe.

O jatinho de Eduardo Campos e a quadrilha

Por Henrique Beirangê, na revista CartaCapital:

Quase dois anos após a queda do avião, em Santos, que levou à morte Eduardo Campos, candidato à Presidência em 2014, novas investigações apontam que a aeronave integrava um esquema de empresas de fachada suspeitas de lavar cerca de 600 milhões de reais. Na terça-feira 21, foram presos quatro suspeitos, entre eles Eduardo Freire Bezerra e João Carlos Lira.

A apuração começou após a Polícia Federal tentar identificar o verdadeiro dono da aeronave na qual Campos viajava em companhia de outros seis passageiros, todos mortos no acidente. Ao realizar a quebra de sigilo dos donos do avião modelo Cessna Citation, os investigadores descobriram empresas que só existiam no papel para a realização de operações de fachada.

A trincheira de combate da CPI da Merenda

Por Henrique Domingues, no site da UJS:

O combate a corrupção no Brasil virou uma espécie de norte estratégico para o povo. O recente acirramento político impulsionado pela atuação da mídia teve em seu epicentro os recentes casos de corrupção, com foco no governo federal e na esquerda brasileira. Setores conservadores e reacionários se valeram do sentimento de indignação popular com o desrespeito aos bens comuns e aplicaram um duro golpe à constituição cidadã de 1988 e ao Estado Democrático de Direito: impediram uma presidenta democraticamente eleita e sem crimes de responsabilidade de concluir o mandato.

Cultura do estupro: romper o silêncio!

Por Érika Kokay, na revista Teoria e Debate:

A cada dois minutos uma mulher é vítima de estupro no Brasil, segundo dado do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O chocante dado foi praticamente ignorado até recentemente, quando dois casos de estupros coletivos, um no Piauí e outro no Rio de Janeiro, mereceram atenção e repúdio de brasileiros e estrangeiros. Casos extremos, que romperam o tradicional silêncio sobre a violação de mulheres em nosso território, em grande medida devido ao fato de um dos crimes ter sido filmado e divulgado em redes sociais pelos próprios autores, que se vangloriavam da barbárie cometida por trinta homens contra uma menina de 16 anos, desacordada, em uma favela carioca.

Igualdade, desenvolvimento e luta sindical

Por Clemente Ganz Lúcio, no site Brasil Debate:

A luta sindical tem o objetivo de transformar o mundo e criar as possibilidades para que haja justiça social e todos tenham melhores condições de vida. Com muito custo, houve avanços, mas, facilmente, haverá retrocessos. A distância é longa para ver esse sonho, essa utopia se tornar realidade. A caminhada é árdua e é preciso reunir forças com aliados dispostos a fazer as mesmas apostas.

Construir convergência é um desafio que requer agentes institucionais capazes de criar um referencial comum. Na América Latina, a Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe), órgão da ONU (Organização das Nações Unidas), vem atuando de maneira exemplar.

Temer e a nova agenda conservadora

Por Leonardo Avritzer, no Jornal GGN:

A crise que conduziu a admissibilidade do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff é uma crise dos três poderes, mas é fundamentalmente uma crise do poder executivo e da forma como ele produziu a governabilidade no período 1994-2015. Essa forma, produziu uma governabilidade cujos custos não foram medidos e acabaram levando a uma disputa muito mais ampla sobre o projeto de estado que irá vigir no Brasil nos próximos anos. Os primeiros 45 dias do presidente interino, Michel Temer mostram os principais elementos deste projeto na concepção dos atores conservadores: um controle absoluto do Congresso, em especial da Câmara dos Deputados sobre a pauta da presidência que levou a incorporação de uma agenda anti-direitos pelo executivo. O segundo é um controle corporativo e patrimonialista sobre a agenda de governo expressa no tipo de reformas do estado que o governo propõe e que buscam fortalecer carreiras corporativas no estado e cortar políticas sociais. Permitam-me elaborar de forma mais ampla os dois elementos do projeto conservador.

Lei Rouanet: Como ir além do Fla-Flu

Por Leonardo Sakamoto, em seu blog:

Publico artigo escrito, para este blog, por João Brant, secretário executivo do Ministério da Cultura na gestão Juca Ferreira (2015-2016), tendo como ponto de partida a operação “Boca Livre'', da Polícia Federal – que revelou fraudes e desvios relacionados a projetos e empresas beneficiados pela Lei Rouanet. Ele trata dessas questões e de outras, como a discussão sobre como deve ser a destinação dos recursos de renúncia fiscal para o fomento à cultura, hoje concentrado nas mãos das empresas.

As greves invisibilizadas pela mídia

Do jornal Brasil de Fato:

Mobilizações de setores universitários e servidores públicos reivindicando pautas salariais, política de cotas raciais e contrários à precarização das condições de trabalho no país, não têm ganhado atenção da grande mídia no país. As paralisações e greves nas instituições públicas tiveram início entre os meses de maio e junho e outras devem se iniciar nos próximos meses.

No Rio de Janeiro, servidores do Rio Previdência decidiram entrar em greve nesta quarta-feira (29), após uma assembleia realizada na tarde de terça-feira. Com salários atrasados, é a primeira vez na história da autarquia, criada em 1999, que os trabalhadores decidem entrar em greve. A categoria demanda a regularização do pagamento dos salários, para que sejam efetuados em dia e de forma integral.

Como governo e mídia tentam destruir a EBC

Por Carolina Ribeiro e Leandro Melito, no site Outras Palavras:

Nas últimas semanas, circularam pela imprensa muitas informações desencontradas sobre a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), pintando cenários que vão desde o fechamento total da empresa até a extinção de parte dela por meio de uma Medida Provisória.

Nesta sexta-feira (24), o relator especial interamericano para a Liberdade de Expressão da ONU, Edison Lanza, manifestou sua preocupação com os posicionamentos de algumas autoridades brasileiras que sugeriram o fechamento da empresa.

Cadê a indignação com a gastança de Temer?

Por Bepe Damasco, em seu blog:                                                    

Dez entre dez golpistas traziam na ponta da língua o discurso de que era preciso enfrentar o desarranjo das contas públicas. O chamado "mercado" e seus representantes no mundo da política e da mídia não se cansavam de acusar a presidenta Dilma e o governo do PT de pouco rigor fiscal.

Não importava se, diante da crise internacional que chegou forte ao Brasil, a opção de Dilma tenha sido a de priorizar minimamente a manutenção de empregos e salários em detrimento de alguns fundamentos caros ao neoliberalismo.

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Blogueiros entrevistam Jean Wyllys


A quem serve o Banco Central?

Por Paulo Kliass, no site Carta Maior:

Na segunda-feira, dia 27 de junho, o Banco Central divulgou a sua tradicional Nota à Imprensa versando sobre “Política Monetária e Operações de Crédito do Sistema Financeiro”. Uma vez por mês a instituição, que é oficialmente encarregada pela implementação da política monetária e pela regulação do sistema financeiro, vem a público oferecer as informações oficiais a respeito do comportamento desse importante setor de nossa economia.

O triunfo da campanha das viagens de Dilma

Por Kiko Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

No pacote de mesquinharias do interino contra a ex-titular, figura um “parecer técnico” (ah, esses eufemismos) restringindo os deslocamentos aéreos dela em aviões da FAB.

Dilma foi autorizada a voar apenas entre Brasília e Porto Alegre, onde vivem os familiares. “Não sei se vocês sabem, mas eu não posso, como qualquer outra pessoa, pegar um avião”, afirmou ela à época.

“Tem que ter toda a segurança atrás de mim, garantindo minha segurança. É a Constituição que manda. Estamos diante de uma situação que tem que ser resolvida. Eu vou viajar”.

As razões do colapso do sistema político

Por Aldo Arantes

O Brasil enfrenta uma grave crise política. A Constituição está sendo pisoteada. A democracia, obtida com muita luta pelo povo brasileiro, sendo cada vez mais limitada. As conquistas obtidas nos últimos anos, desmontadas. O golpe instalado.

Por outro lado cresce a indignação popular. A resistência se amplia. Estão dadas as condições para a construção de uma ampla de união de forças para derrotar o golpe. O centro da luta momento se volta para a defesa da legalidade, do mandato da presidenta Dilma e contra o governo corrupto e ilegítimo de Temer.

A pressa de Temer em limitar os gastos

Editorial do site Vermelho:

A luta democrática e em defesa dos interesses nacionais acirra-se a olhos vistos e, em paralelo a ela, cai cada vez mais a máscara daqueles que tentaram disfarçar o impeachment sob véus legalistas.

A situação ficou pior, para os golpistas depois que peritos do Senado comunicaram à Comissão de Impeachment que as operações pelas quais Dilma Rousseff é acusada – as chamadas pedaladas fiscais – foram legais.

Neste quadro de incertezas destaca-se a pressa com que a equipe econômica do governo usurpador, formado por representantes do grande capital brasileiro e internacional, tenta inscrever seus interesses na Constituição, no esforço de torná-los permanentes.

Não é hora de fugir da luta

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

A confissão de Rose de Freitas de que as pedaladas fiscais não passaram de um pretexto para afastar Dilma Rousseff e empossar o governo provisório de seu patrão Michel Temer ajudou a reforçar a certeza de que o país está diante de um golpe parlamentar e comoveu vozes que até agora nada enxergavam de errado. "Há golpe", reagiu o colunista Elio Gaspari.

Até agora, contudo, não há sinais de que uma notícia dessa importância tenha sido capaz de alterar o placar de votos do Senado que, lá pelo meio de agosto, irá resolver o destino de Dilma e, no mesma votação, definir a solidez das instituições democráticas erguidas pela Constituição de 1988. Essa conjuntura particular obriga reconhecer que o risco de a democracia brasileira -- que serviu a mais de 100 milhões de eleitores em outubro de 2014 - ser conduzida como uma boiada para o matadouro, é muito maior do que se gostaria de imaginar.

O neoliberalismo e a crise de valores


Do site do Fórum-21:

No próximo sábado, dia 2 de julho, o Fórum 21 promoverá o debate “A Metafísica do Neoliberalismo e a Crise de Valores no Mundo”. O evento acontece das 9h às 12h30, na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo – FESPSP, (Rua General Jardim, 522, 7 andar), São Paulo, Bela Vista).

Participam do debate os professores Jung Mo Sung (Ciências da Religião – Universidade Metodista), Magali Cunha (Comunicação – Universidade Metodista) e Marilena Chauí (Filosofia – USP). Em discussão, a crise de valores da civilização ocidental frente a hegemonia do neoliberalismo que transforma, principalmente, por meio da comunicação, o Mercado em um ser metafísico, dotado de onipotência, onipresença e onisciência.

Gastança de Temer é para comprar votos

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

O governo Temer subiu ao poder aos gritos de “cortar, cortar, cortar!”.

Era a voz da mídia, amplificado a voz do “mercado”, isto é, a voz do dinheiro.

A fúria “cortista” não economizava exemplos: cortem-se ministérios (com o da Cultura, aliás, saiu “caro”), corte-se publicidade nos “blogs sujos” (de minha parte, agradeço a comprovação de que não me vinha um “tusta” do Governo), corte-se até assessores e a despensa do Palácio da Alvorada, onde aquela malvada Dilma gastadeira (só rindo) comia demais.

A falta de pudor de Temer

Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

A propósito das demissões de integrantes do Conselho Nacional de Educação, o ex-ministro da pasta, Aloizio Mercadante, foi preciso ao definir a falta de cerimônia com que o vice presidente em exercício Michel Temer avança o sinal, atropela lei e as regras de funcionamento das instituições públicas. ”Mais uma vez este governo demonstra incapacidade de distinguir entre instituições de Estado e interesses de governo", diz Mercadante. Os 24 conselheiros, nomeados por Dilma, estavam no exercício dos mandatos previstos em lei e no regimento do CNE.