domingo, 17 de dezembro de 2017

Bolsonaro, o filho e a carta branca pra matar

Por Altamiro Borges

Quanto mais o fascista Jair Bolsonaro abre a boca na sua pré-campanha presidencial, mais morde a língua. Nesta quinta-feira (14), em visita a Manaus, ele ficou empolgado com os fanáticos que foram recebê-lo no aeroporto e ergueram um boneco inflável de 12 metros em sua homenagem e rosnou do alto de um carro de som: “Se alguns dizem que eu quero dar carta branca para a Polícia Militar matar, eu respondo: Quero, sim”. A declaração causou histeria na plateia, que reagiu aos gritos de “mito, mito”, mas pode resultar em mais um processo contra o deputado federal por estímulo ao ódio e à violência. Temendo os riscos, pouco depois o valentão mais uma vez recuou.

Abril está falindo. “Veja” vai sobreviver?

Por Altamiro Borges

Na quarta-feira passada (13), o Grupo Abril, que edita a asquerosa revista “Veja”, iniciou um novo “plano de reestruturação” – nome fantasia de mais uma sacanagem contra os trabalhadores. De acordo com o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, cerca de 130 profissionais foram demitidos e o facão pode atingir 170 funcionários. O decadente império da famiglia Civita também confirmou a entrega de parte dos imóveis que ocupa na Marginal de Pinheiros e especula-se que várias revistas da editora devem ser extintas. Há boatos de que a empresa encontra-se em estado pré-falimentar. Sem dinheiro em caixa, ela inclusive propôs parcelar o pagamento da rescisão contratual dos demitidos.

sábado, 16 de dezembro de 2017

Irmão de Geddel visita Padilha. Sujeira?

Por Altamiro Borges

Na quinta-feira (14), a revista Época postou uma notinha bem minúscula: “Irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima, o deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) esteve no Palácio do Planalto nesta tarde. Ele, de acordo com duas fontes, se encontrou com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. Lúcio e Padilha são acusados pela Procuradoria-Geral da República de integrar a organização criminosa que foi apelidada de ‘quadrilha do PMDB da Câmara’. Lúcio também visitou a Secretaria de Governo, órgão já chefiado por Geddel. Aliás, vários assessores nomeados pelo ex-ministro, que está preso na Papuda, não foram exonerados na gestão de Antonio Imbassahy. Deverão ser mantidos nos cargos pelo futuro ministro, Carlos Marun”.

Carlos Marun, o pitbull do Temer

Por Altamiro Borges

A quadrilha de Michel Temer ganhou um reforço de peso nesta quinta-feira (14). No lugar do tucano Antonio Imbassahy, batizado de “bosta” por seus pares, tomou posse como novo ministro da Secretaria de Governo o agressivo deputado Carlos Marun (PMDB-MS). De ex-chefão da tropa de choque de Eduardo Cunha – como prova de sua fidelidade canina chegou a visitá-lo no presídio em Curitiba com grana dos cofres públicos –, ele hoje ocupa o papel de pitbull do usurpador. Dança, xinga, late e morde em defesa do dono. Durante a cerimônia de posse, o novo serviçal disse que é “um soldado do presidente” e jurou que sua prioridade é aprovar na Câmara Federal a “reforma” da Previdência que extingue o direito à aposentadoria dos brasileiros.

A ampliação da democracia na Venezuela

Por Felipe Bianchi, de Maracaibo/Venezuela, no site do Centro de Estudos Barão de Itararé:

Para além da redução da desigualdade social através da distribuição da renda petroleira, a Venezuela logrou outras importantes conquistas que nem sempre estão no debate público sobre o país. Poder independente, o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) é o pivô de um significativo avanço: ao longo das últimas duas décadas, o órgão foi peça chave para ampliar a participação popular nos processos de decisão política no país, dando um novo sentido ao voto.

Longe dos holofotes, Alckmin impõe maldade

Por Tomás Chiaverini, no site The Intercept-Brasil:

Na semana em que o governo federal comemorou o primeiro aniversário do congelamento dos gastos públicos, a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) aprovou uma medida semelhante para o Estado. No começo da noite de quinta-feira (14) a ampla maioria dos deputados votou a favor do Projeto de Lei (PL) 920, que trata da renegociação de dívidas com a União e impede o aumento das despesas por dois anos.

A criação de uma lei que paralise os gastos do Estado era pré-requisito para que São Paulo mantivesse sua parte em um acordo celebrado com o governo federal no fim de 2016. Assim como outros 19 estados, São Paulo se comprometeu a congelar os gastos por dois anos em troca da renegociação de suas dívidas junto à União.

Temer torra R$ 15 bi em reforma fracassada

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

Manchete do Estadão desta sexta-feira:

“Previdência fica para 2018 e governo cede a servidores”.

É o réquiem da fracassada Reforma da Previdência que queria acabar com os “privilégios”.

Feitas as contas e passada a régua, o balcão de compra e venda montado pelo governo para aprovar a reforma que não houve consumiu no mínimo R$ 15 bilhões dos cofres públicos em agrados a parlamentares, governadores e prefeitos, segundo cálculo do jornal O Globo.

Mais do que isso: custou-nos um ano inteiro de tempo e trabalho perdidos nas negociações entre o governo e o Congresso.

Assim o jornalismo quer diminuir as mulheres

Por Inês Castilho, no site Outras Palavras:

São Paulo, 1968. O movimento estudantil ferve nas ruas, e a repressão avança com a proximidade do AI-5. A Folha da Tarde é o único entre os jornais da grande imprensa que cobre as manifestações (1). Na redação, entre cerca de 40 homens, apenas três mulheres, muito jovens: Rose Nogueira, uma fotógrafa nipo-brasileira e eu, grávida.

Já não estávamos em 1930, quando nas redações mulher “circulava na área de serviço”, como relata José Hamilton Ribeiro em depoimento para pesquisa da USP (2). “Nem havia banheiro feminino. No Estadão, à noite, quando fervia o trabalho jornalístico, as mulheres não eram aceitas nem na mesa telefônica. Havia mulheres como telefonistas, mas só durante o dia. Mulher podia ser telefonista, faxineira ou servia para fazer o café: circulava na área de serviço”.

Lula cresce: vale tudo para abatê-lo

Piracicaba (SP), 16/12/17. Foto: Ricardo Stuckert
Por Roberto Amaral, em seu blog:

O fato de uma ou outra decisão judicial, uma ou outra ação policial poder mencionar, a seu favor, o arrimo, formal nalgum dispositivo legal, não as protege com o diploma da legitimidade, nem da justeza, nem as salva do peso da ilicitude, quando a isenção se aparta do julgador e a condenação do suspeito ou acusado escolhido a dedo para ser acusado e condenado torna-se mais importante do que a busca da justiça.

E, ainda, o aparato judicial assume a política e passa a geri-la, não exatamente como sujeito, mas simplesmente cumprindo o papel de despachante dos interesses do mercado financeiro – o qual, segundo importante colunista de O Globo, portanto alta autoridade nestes temas, reage positivamente à possibilidade de defenestramento da candidatura Lula, o imperativo categórico das forças dominantes.

Manicômios: golpe contra a humanidade

Obra de Emygdio de Barros/Imagens do inconsciente.
Autora: Nise da Silveira
Por João Paulo Cunha, no jornal Brasil de Fato:

Há muitas faces na trajetória do golpe em andamento contra a sociedade brasileira. Se o primeiro lance, com o impeachment de Dilma Rousseff, significou a cassação da vontade popular e a institucionalização de um governo ilegítimo, logo as múltiplas inspirações foram deixando ver seus dentes sangrentos.

Uma história de infâmia feita da retirada de direitos civis e trabalhistas, da instauração de um Estado policial e da entrega das riquezas estratégicas. Segue com o avanço sobre a seguridade, o congelamento dos gastos com saúde e educação, o desmonte das políticas sociais e o ataque à universidade pública. São etapas de um processo que anuncia seus próximos lances de rapina.

"PL da Morte" de Alckmin é aprovado

Da Rede Brasil Atual:

O projeto do governador Geraldo Alckmin que trata da renegociação de dívidas do Estado com a União e congela salários dos servidores e investimentos na área social por dois anos (PL 920), foi aprovado pelo plenário da Assembleia Legislativa, nesta quinta-feira (14), com 46 votos favoráveis e oito contrários. As bancadas do PT, PCdoB e Psol tentaram impedir a aprovação ao se colocar em obstrução, mas oito deputados da base aliada que consignaram votos contra acabaram por favorecer a aprovação do projeto, garantindo quórum (48 votos) para validar o processo.

Marin, Del Nero e as rapinas do Fifagate

Por Rodrigo Martins, na revista CartaCapital:

Denunciado por fraude, lavagem de dinheiro e organização criminosa, o ex-presidente da CBF José Maria Marin reluta em aceitar o fato de não estar mais no Brasil, protegido por uma legislação omissa e por autoridades lenientes com as negociatas da cartolagem. Antes da seleção dos jurados que vão selar o seu destino na Suprema Corte do Brooklyn, em Nova York, o brasileiro tentou algumas cartadas derradeiras.

Argumentou que a corrupção privada não é crime nos países dos réus, e isso deveria ser considerado. Juan Ángel Napout, ex-presidente da Conmebol, e Manuel Burga, da Federação Peruana de Futebol, também são acusados no mesmo processo. Os três são os únicos dos 42 acusados no escândalo de corrupção na Fifa que estão nos Estados Unidos e se declaram inocentes.

Fim da neutralidade de rede vai lhe afetar

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

O Federal Communication Commission (FCC, uma espécie de Anatel norte-americana) decidiu pelo fim da “neutralidade de rede”. Isso vai mudar radicalmente a sua relação com a internet. quase duas centenas de milhões de brasileiros serão afetados e a produção de conteúdo independente pode simplesmente desaparecer.

Em janeiro, as empresas de telefonia baterão à porta do Ministério das Comunicações de Michel Temer – que está cedendo a tudo e a mais um pouco que o dito “mercado” quer. E quando se fala em “mercado”, fala-se em grandes conglomerados econômicos que querem tirar mais dinheiro do consumidor, entre outros ataques ao interesse coletivo.

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Temer reduz reajuste do salário mínimo

Do site Vermelho:

O Congresso Nacional aprovou nesta quarta-feira (13) a proposta orçamentária de 2018 (PLN 20/17), a primeira sob a Emenda Constitucional 95, conhecida como teto de gastos. Além da redução dos investimentos públicos para a saúde e educação, por exemplo, o governo reduziu o aumento do salário mínimo para o ano que vem.

O governo Michel Temer já havia reduzido a proposta de aumento do mínimo de R$ 979 para R$ 969 no mês de agosto. Em outubro, revisou o valor para baixo mais uma vez, caindo para R$ 965, valor que foi mantido na votação do Congresso Nacional.

Grande bacanal do pós-impeachment

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

Esta semana dei uma palestra no encontro da Andifes (Associação Nacional dos Dirigentes de Instituições Federais de Ensino Superior). No encontro, a mesma dúvida: qual o prazo de validade do modelo econômico e social que está sendo implementado com a tomada do poder pela organização criminosa liderada por Eduardo Cunha?

Ouso dizer que é curto.

Acompanhe o raciocínio.

Peça 1 - a legitimação de Collor e FHC

Guerra cibernética: novas formas de guerra

Por Leonardo Boff, no site Carta Maior:

Conhecemos as formas clássicas de guerra, primeiro entre exércitos e após Hitler (com a sua “totaler Krieg”= guerra total) de povos contra povos. Inventaram-se bombas nucleares tão potentes que podem destruir toda a vida. Diz-se que eram armas de dissuasão. Não importa. Quem tem, por primeiro a iniciativa, ganha a guerra que duraria poucos minutos. A questão é que ela são tão letais que podem matar a todos, inclusive aqueles primeiros que as lançaram. Viraram armas de espantalho. Mas cuidado, a segurança nunca é total e não é impossível que algumas delas explodam sob a ação de hackers, pondo em risco grande parte da humanidade.

Argentina é uma advertência para o Brasil

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Depois de duas semanas de encenação, o governo, finalmente assumiu que não tem – até agora – os votos para aprovar a reforma previdenciária.

Dificilmente os terá até o dia 19 de fevereiro, para quando Rodrigo Maia diz ter marcado a votação, data mais que improvável, por ser a do retorno dos deputados a Brasília, após o Carnaval.

Mas as cenas de hoje, na Argentina, quando se tentou fazer o mesmo tipo de arranjo neoliberal, num Congresso cercado de policiais e de manifestantes deve nos lembrar de que, nos anos neoliberais da década de 90, tínhamos a história de que os brasileiros olhavam nossos irmãos portenhos com os olhos que uma propaganda acabou imortalizando: “eu sou você, amanhã”.

Proteger Lula das garras da ditadura

Por Bepe Damasco, em seu blog:

Antes de qualquer coisa, precisamos colocar os pingos nos is entre nós: não expressa integralmente a verdade dos fatos dizer que Lula foi condenado por Moro a mais de nove anos de prisão sem provas. É bem mais grave: a condenação se deu mesmo com a defesa apresentando fartas provas da inocência de Lula, mostrando documentalmente que o tal triplex jamais lhe pertenceu.

Justiça morosa, justiceiros a jato

Por Guilherme Coutinho, no blog Socialista Morena:

A justiça brasileira é uma das mais lentas e ineficientes do mundo. A mais recente versão do anuário estatístico Justiça em Números, publicado pelo CNJ, apontou que o País possui 80 milhões de processos sem julgamento. Ainda segundo o órgão, cerca de um terço das pessoas presas estão aguardando julgamento, e não raramente vemos casos de trabalhadores que faleceram sem conseguir seus direitos, que se arrastam por décadas nos tribunais. No entanto, para o julgamento de Lula, líder de todas as pesquisas presidenciais, a justiça bate recorde de celeridade e marca a sentença para janeiro. A justiça continua lenta. A guerra jurídica é que anda rápida.

Bolsonaro e o conservador do Alabama

Por Antonio Barbosa Filho, em seu blog:

Com um discurso muito parecido ao de Jair Bolsonaro – contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo, os direitos dos gays e anti-imigrantes, especialmente muçulmanos – o juiz conservador Roy Moore conseguiu uma façanha histórica: perder uma eleição para o Senado no estado do Alabama, que está para os republicanos como São Paulo está para os tucanos. Assim como o PSDB governa São Paulo há 24 anos, os republicanos não perdiam uma eleição no Alabama há 25.