sábado, 25 de outubro de 2014

Barão de Itararé repudia golpe da Veja

Do site do Centro de Estudos Barão de Itararé:

O Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé manifesta de forma veemente o seu repúdio contra a revista Veja. O semanário da direita organizada brasileira - que atua como uma máfia política e econômica - tem propagado ao longo dos últimos anos o ódio contra a esquerda, os movimentos sociais e todos os que defendem bandeiras progressistas e de respeito aos direitos humanos.

Como prevenir o crime eleitoral do JN

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

Hoje à noite, exatamente às 20 horas, será cometido um crime de imprensa e um atentado à democracia. O Jornal Nacional dará entre 5 a 10 minutos de reportagem sobre uma informação falsa veiculada pela revista Veja.

O que fazer?

Golpe midiático em marcha na Globo

Por Rodrigo Vianna, no blog Escrevinhador:

A Justiça reconheceu o caráter eleitoreiro da última edição de “Veja” – e proibiu que seja feita publicidade da revista (leia aqui). Reparem: não se impede a circulação da revista, mas se proíbe que a edição cumpra seu papel nefasto de propaganda mentirosa a serviço do PSDB – às vésperas da eleição.

A decisão judicial traz alento. Mas não interrompe o golpe midiático.

Sabesp admite crime. Cabe impeachment?

Por Altamiro Borges

Passado o primeiro turno das eleições, que garantiu a folgada reeleição de Geraldo Alckmin (PSDB-SP), a Folha tucana divulgou nesta sexta-feira (23) um áudio bombástico que vazou de uma reunião da diretoria da Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp). Nele a presidenta da estatal, Dilma Pena, afirma que recebeu “orientação superior” para esconder a crise hídrica que afeta a população. Já Paulo Massato, diretor da empresa, chega a prever, em tom apocalíptico: “Saiam de São Paulo, porque aqui não tem água, não vai ter água pra tomar banho, limpeza da casa. Quem puder compra garrafa de água mineral, quem não puder vai tomar banho na casa da mãe, em Santos, Ubatuba. Aqui não vai ter”.

Veja a que situação chegou a "Veja"

Por José Augusto Camargo (Guto), no blog Paulicéia Desbravada:

A edição nº 2.397, ano 47, de 23 de outubro de 2014 da revista Veja é estarrecedora. Este número deve entrar para a história do jornalismo brasileiro e certamente será estudada pelas gerações futuras como sendo o exemplo perfeito do péssimo jornalismo praticado neste início de século. Aliás, penso que nem sequer deverá ser vista como jornalismo, sendo mais apropriado que seja enquadrada como uma espécie deturpada de marketing político.

Veja aposta em terceiro turno golpista

Por Breno Altman, em seu blog:

A presidente Dilma Rousseff deu resposta histórica e contundente ao principal semanário do país: “terrorismo eleitoral”. Levou doze anos para o PT efetivamente reagir contra a organização criminosa travestida de imprensa, mas o fez com determinação.

Não foi deixada pedra sobre pedra. A fala da candidata petista à reeleição recordou campanha sistemática movida por Veja contra ela e Lula. Denunciou por infâmia e crime eleitoral a publicação das margens do rio Pinheiros. Conclamou o povo a “responder nas urnas contra a revista e seus cúmplices” e informou que dará sua resposta na Justiça.

Uma reflexão jornalística sobre a 'Veja'

Por Paulo Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

Vou falar estritamente sobre a técnica jornalística utilizada pela Veja na última edição.

Percebi que é necessário, uma vez que mesmo jornalistas experientes como Ricardo Noblat não compreendem exatamente onde está o problema.

Citei Noblat porque, em sua conta no Twitter, além de em determinada altura do debate de ontem ele informar seus seguidores de que a bateria do celular acabara, ele fez a seguinte indagação.

Quem venceu o debate da Globo?

Por Miguel do Rosário, no blog O Cafezinho:

É quase impossível analisar objetivamente o último debate realizado na Globo.

As opiniões já estão formadas, poluindo qualquer resquício de neutralidade. E o problema nem sempre é que davamos vitória automática ao candidato que apoiamos. Às vezes a ansiedade nos deixa críticos demais inclusive com estes.

'Veja" ofende a qualquer inteligência

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Se no Brasil se fizesse jornalismo e não campanha eleitoral nos jornais, a história do doleiro Alberto Youssef esbarraria num “pequeno” problema, sem o qual mesmo como “denúncia”, o que ele teria dito – se é que disse – não deveria ser publicado, porque falta um elemento essencial.

É simples, mas indispensável a que qualquer pessoa medianamente inteligente dê um grama de crédito e continue a ouvir o que se diz.

A eleição dentro de cada um de nós

Por Nicolas Chernavsky, no blog culturapolítica.info:

Desde o início dessa campanha eleitoral no Brasil, tenho escrito uma série de artigos, e a cada artigo que escrevo, percebo algo novo não só sobre a eleição, mas também sobre minha própria forma de encarar a eleição. Eu planejava escrever um artigo hoje de manhã, mas simplesmente algo estava faltando, e o tema não surgia, mas nesses casos eu sabia que durante o dia minha mente raciocinaria mesmo inconscientemente pra formar o tema deste artigo, e foi isso o que aconteceu. Aconteceram algumas coisas hoje que me fizeram perceber a importância do fato de que em todos nós há como uma "eleição interna". Nós, sem exceção, não somos isentos de ter um componente progressista e um componente conservador, que disputam de uma forma análoga às candidaturas do polo progressista, com Dilma, e do polo conservador, com Aécio. Vou contar algumas situações que me ocorreram hoje pra ilustrar o raciocínio.

O ódio é a herança da imprensa

Por Luciano Martins Costa, no Observatório da Imprensa:

Na sexta-feira (24), dia de encerramento da propaganda eleitoral e do último debate entre os candidatos à Presidência da República, os dois institutos de pesquisa mais considerados pela imprensa declaram consolidada a tendência de vitória de Dilma Rousseff.

Como se trata de prospecção do passado, e diante das oscilações no capital de confiabilidade das pesquisas, ninguém pode dar como definitivas as intenções de voto, porque pelo menos 10% dos eleitores ainda demonstram pouca convicção. Pode-se, no entanto, afirmar que, a se concretizar o que dizem o Ibope e o Datafolha, a mídia tradicional é, neste momento, a parte derrotada no confronto bipartite em que se configuram as eleições no Brasil ao longo deste século.

Indecisos ficaram com quem na Globo?

Por Rodrigo Vianna, no blog Escrevinhador:

O debate na Globo começou quente, e depois se arrastou – de forma cansativa. Ao fim de uma campanha tão dura, os dois candidatos pareciam exaustos.

Aécio levou a “denúncia” de “Veja” para a primeira pergunta. Deixou clara a tabelinha entre a campanha dele e a revista da marginal. Dilma se saiu bem na resposta, partindo para a ofensiva. Reafirmou que a revista da marginal e aquela outra fazem campanha política, não jornalismo.

'Veja' tenta golpe contra a democracia

Por Dayane Santos, no site Vermelho:

Como era de se esperar, o semanário Veja lançou a sua última cartada, na tentativa de derrotar o avanço das forças progressistas no segundo turno da eleição. Mantendo a estratégia manjada de factoide, a revista da família Civita antecipou a divulgação de sua capa com uma denúncia “bomba”, atacando as duas principais lideranças responsáveis pelas conquistas e avanços do Brasil nos últimos 12 anos: o ex-presidente Lula e a presidenta Dilma Rousseff.

Dilma ganhou de pouco na Globo

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

O debate de ontem terminou na primeira pergunta. Aécio Neves tentou usar a última edição da 'Veja' para colocar Dilma contra a parede. A presidente deu uma resposta a altura, desqualificando uma denúncia que nem seu autor - nem a revista que a publicou - conseguem sustentar com base em provas. Foi uma colocação firme, sem piscar.

Dilma passou pelo teste da Globo

Por Renato Rovai, em seu blog:

O debate da Globo tem características diferentes dos de outras TVs e portais. Ele conta com a presença dos chamados indecisos. Esses eleitores fazem perguntas mais programáticas, mas ao mesmo tempo quebram um pouco o ritmo do enfrentamento entre os candidatos. Até por isso, o debate da Globo foi menos eletrizante que os anteriores. E isso favoreceu a presidenta Dilma.

Dilma neutraliza bala de prata na Globo

Por Luiz Carlos Azenha, no blog Viomundo:

A famosa “bala de prata”, que poderia modificar os votos dos indecisos, foi neutralizada de cara pela presidente Dilma Rousseff, já na abertura do debate da TV Globo.

Ela atacou a credibilidade não só da revista Veja, como também da IstoÉ, que mais uma vez neste fim de semana fez jus ao apelido jocoso de QuantoÉ.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Jovens protestam diante da sede da Veja

Por Altamiro Borges

Na noite desta sexta-feira (24), militantes da União da Juventude Socialista (UJS) realizaram uma manifestação pacífica diante da sede da Editora Abril, na capital paulista. O objetivo do ato foi protestar contra a mais nova tentativa golpista da revista Veja, que acusou de forma criminosa e leviana a presidente Dilma e o ex-presidente Lula no caso da Petrobras. Os jovens estenderam uma faixa no portão da empresa - "A Veja mente" -, picaram e jogaram no lixo exemplares do panfleto e, do alto de um caminhão de som, fizeram pronunciamentos contra a farsa montada pela publicação a três dias do segundo turno da eleição presidencial.

O antijornalismo da revista 'Veja'

Por Jean Wyllys, em seu perfil no Facebook:

Diante das pesquisas que apontam uma iminente vitória de Dilma no domingo, a Veja (a revista que transformou o corrupto e então senador Demóstenes Torres em paladino da ética pública e cujo "repórter investigador" obtinha as "informações" para suas matérias por meio de grampos ilegais feitos por Carlinhos Cachoeira, o comandante do mega-esquema de corrupção envolvendo o PSDB em Goiás e do qual Demóstenes Torres era parte), essa revista que faz um anti-jornalismo, já preparou uma capa tendenciosa e com o objetivo claro de derrubar Dilma e favorecer Aécio Neves. A capa diz respeito ao batido caso Petrobras e às declarações do "delator premiado". Nenhuma surpresa até aqui (e também é óbvio que os telejornais da Globo darão amplo destaque ao "furo" de Veja).

'Veja' faz muito mal à saúde

http://desesperodaveja.tumblr.com/
Por Valter Pomar, em seu blog:

Faz parte.

Gastei parte da minha manhã lendo a revista Veja.

Chamo de revista porque estudei artes gráficas e opto pelo termo técnico.

Não fora isto, chamaria de outra coisa.

Lida capa e miolo, não há dúvida de que se trata apenas de um panfleto eleitoral contra a reeleição de Dilma, contra Lula e contra o PT.

O autoritarismo do "censor" Aécio Neves

Foto: SJSP/ Cadu Bazilevski
Por Felipe Bianchi, no site do Centro de Estudos Barão de Itararé:

A fama de ‘censor’ que o presidenciável tucano Aécio Neves carrega em Minas Gerais, estado que governou por 12 anos, foi tema de debate na noite desta quarta-feira (22), em São Paulo. Jornalistas e sindicalistas lembraram diversos casos de censura e demissões ocorridos ao longo de seu governo, ressaltando a ameaça que sua candidatura significa para a liberdade de expressão e fazendo um alerta: “Precisamos contar quem é Aécio, pois a grande mídia não o faz”.